Além das condições dos pneus e da suspensão da moto, o sucesso de uma frenagem pode ser influenciado por diversos outros fatores

TEXTO: TEODORO VIEIRA

IMAGENS: MAURA DE ANDRADE

Mais importante do que acelerar é saber frear. Em média, uma Big Trail de mais de 200 kg a 100 km/h precisa de aproximadamente 50 metros para parar completamente, contando com o apoio do sistema anti-travamento. É muita coisa. Pode-se considerar que a tecnologia do sistema de frenagem teve um avanço incrível nas últimas décadas, mas quem ainda aciona os freios é o motociclista. Em uma situação de emergência, o exato momento em que ele decide parar a moto é chamado “tempo de reação”, e leva pouco mais do que meio segundo (variando conforme sua experiência e controle).

Assim que o seu reflexo faz sua mão direita abandonar o acelerador para “alicatar” o manete do freio dianteiro e, no mesmo instante, faz seu pé direito pisar na alavanca do freio traseiro, a moto já se deslocou por vinte metros, quando vinha naqueles 100 km/h. Desse ponto em diante, resta a “distância de frenagem”, na qual o conjunto “homem e máquina” irá desacelerar bruscamente até a inércia total, percorrendo quase outros 30 metros.

PRIMÓRDIOS

Ao rever a história dos freios nas motos, temos o papel relevante dos freios a tambor – que exercem a sua função tão bem quanto os freios a disco – e que, ainda hoje, são adotados na roda traseira de muitos modelos de baixa cilindrada. O grande desafio do sistema de freio durante o seu funcionamento é a dissipação do calor gerado pelo atrito entre os componentes, seja o tambor e a lona, ou a pastilha e o disco.

O sistema a disco leva vantagem por sua exposição direta ao ar – muito ar. Por serem bastante exigidos, é fundamental que sejam verificados constantemente, permitindo, assim, sua manutenção preventiva. A união da tecnologia de duas gigantes alemãs da indústria aeroespacial e da motocicleta resultou no desenvolvimento do ABS, no final da década de 1980, alimentando uma concorrência saudável na fabricação de sistemas mais leves e proporcionando mais segurança aos motociclistas da atualidade.

Além das condições dos pneus e da suspensão da moto, o sucesso de uma frenagem pode ser influenciado por diversos outros fatores – mas a imprudência e a imperícia devem sempre passar longe. A falta do medo de cair de moto e se arrebentar (mais conhecida como “imprudência”), aliada à ausência de controle e domínio total em conduzir a máquina (conhecida como “imperícia”) raramente me acompanharam, desde que comecei a pilotar. Sem dúvida, isto me salvou de muitos acidentes graves e até fatais.

COTIDIANO REAL

Por melhor que seja o seu reflexo, muitas vezes, o tempo de reação nem é usado. Moto e pressa não combinam. Pois é: o corredor de carros parados de uma grande avenida da cidade de São Paulo não era o melhor lugar para se rodar no limite de velocidade permitido. Além de subestimar o asfalto molhado, a experiência de duas décadas sobre duas rodas também não abreviou meu tempo de reação para frear, ao identificar o veículo cruzando a via de supetão, cerca de dez metros adiante. Naquele instante, pude somente desacelerar enquanto desviava da lateral traseira do carro. Ao colidir com o para-choque, fui projetado no ar – fora de perigo – e deslizei pelo chão molhado. Claro que o equipamento ajudou a evitar escoriações mais sérias, mas agradeci muito ao meu “anjo da guarda” por ter me salvado. E prometi a mim mesmo que jamais correria aquele risco desnecessário novamente.

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também