apresentacao-kawasaki-z650-ninja-650-2021-mudancas-sutis

Apresentando mudanças estéticas sutis, novidades ficam por conta da nova iluminação em LED, novo painel em TFT com conexão via Bluetooth e novos pneus.

Em meados de outubro, a marca verde convocou a imprensa especializada para uma coletiva virtual em seu canal do You Tube para anunciar a chegada das versões 2020 da Z 650 e da Ninja 650.

As principais novidades estão concentradas no novo farol e lanterna traseira, agora em LED, no novo painel em TFT de 4,3 polegadas que oferece conexão Bluetooth com o celular e pareamento com aplicativo Rideology The App, e nos novos pneus Dunlop.

No que diz respeito à Ninja, esta moto ainda recebeu nova carenagem, com desenho otimizado, enquanto que a Z 650 ganhou novas aletas frontais, mais largas, com o objetivo de dar mais volume à frente da motocicleta. Ambas ganharam novos assentos, com mais espuma tanto na parte central (+ 5mm) como nas laterais (+ 10 mm).

Segundo a marca, tais alterações visaram reforçar o estilo Sugomi, que pode ser representado de acordo com a Kawasaki, como um predador no momento em que se prepara para atacar sua presa.

Desde 2017

As características mecânicas e ciclísticas das motocicletas não foram alteradas para 2021 e permanecem as mesmas que as equipam desde 2017.

Tanto a Ninja 650 como a Z 650 continuam equipadas com o motor bicilíndrico de 649 cm3, arrefecido a líquido, com duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC), o qual, alimentado por injeção eletrônica, entrega 68 cv a 8.000 rpm e torque máximo de 6,7 kgf.m a 6.500 rpm. Segundo a marca, este motor está homologado para atender à Euro 4, equivalente à segunda fase do Promot 4. A diferença em relação à versão anterior é apenas estética, já que agora ele recebe pintura preta.

No âmbito ciclístico, permanece o quadro treliçado fabricado em aço, pintado de verde metálico. Não houve alterações quanto às suas medidas, nem em relação às suspensões: garfos hidráulicos na dianteira fornecidos pela KYB, com 125 mm de curso; atrás, um monoamortecedor com sistema de fixação backlink, com 130 mm de curso. A balança segue a de formato assimétrica – chamada pela marca de “Asa de Gaivota”.

De acordo com a Kawasaki, o assento tem altura de 790 mm e é o mais baixo da categoria, mas que segundo eles, “não incomoda os pilotos mais altos”.

As rodas de alumínio aro 17 não sofreram mudanças em seu desenho; a novidade é que passam a receber os novos pneus Dunlop Sportmax Roadsport, nas medidas 120/70-17 na frente e 160/60-17 atrás.

Conectividade

Para 2021 a Kawasaki equipou as motocicletas com um belo painel em TFT (Thin Film Transistor) que permite aos usuários escolher entre duas cores de fundo (branca ou preta), além de quatro níveis de luminosidade.

Bastante completo, este novo painel apresenta amplo leque de informações como velocímetro e conta giros, indicador de marcha, shift light (a barra de rotação muda de cor até ficar toda laranja e, ao atingir o ponto de troca indicado pelo usuário, começa a piscar avisando o momento da troca de marcha), nível de combustível, hodômetros total e dois parciais, consumo de combustível instantâneo e previsão de autonomia, velocidade média, tempo total desde o último reinício, relógio, temperatura do líquido de arrefecimento, tensão da bateria, lembrete da agenda de manutenção, de troca de óleo e indicador de modo ECO.

Com a conexão via Bluetooth, ele mostra notificações de chegadas de email e chamadas telefônicas e também, pode ser pareado com o aplicativo Rideology The App, que oferece dados de telemetria da motocicleta, graças ao acesso a dados oriundos da ECU.

Segundo preço divulgado pela Kawasaki, a Z 650 chega às lojas por R$ 37.490 (+ frete) nas cores Metallic Spark Black/Metallic Flat Spark Black e R$ 37.990 (+ frete) nas cores Candy Lime Green/Metallic Spark Black, enquanto que a Ninja 650 sai por R$ R$39.990,00 (+ frete) e será vendida apenas na cor Metallic Spark Black.

Deixe uma resposta