Destino: América do Norte – Parte Final

Neste último trecho de viagem, o motociclista Carlos Rigueira atravessou os estados do Oklahoma, Texas, Novo México, Arizona e Califórnia

Texto e fotos: Carlos Rigueira

Perfazendo a etapa final de sua jornada, Carlos Riguiera encarou temperaturas elevadas, relevos montanhosos e paisagens desérticas. Deixando o Missouri para trás, o objetivo seguinte era alcançar a cidade de Los Angeles, a 2.140 km de distância. Saiba mais no relato do próprio motociclista.

MUSEUS E ESTRADAS

De Oklahoma City, segui para Albuquerque. A nova etapa contemplava 874 km. A Rota 40 passou a ser minha nova referência de rodovia. Depois de percorrer 140 km, cheguei a Clinton, cidadezinha com 9 mil habitantes. A cidade é ponto de parada obrigatório, pois abriga o Museu da Rota 66. Em Mc Lean, a 160 km de Clinton, encontrei o Museu Devil’s Rope, que mostra a história e a invenção do arame farpado e sua significativa influência no Velho Oeste.

AMARILLO – TEXAS

Segui para Amarillo, que estava a apenas 120 km dali. A cidade pertence ao estado do Texas e tem 230 mil habitantes. Originalmente, seu nome era Oneida – mas, devido à cor amarela das margens de um lago próximo, passou a ser conhecida como Amarillo. Fiz um rápido passeio pelo centro e segui para a Fazenda do Cadillac, onde, desde 1974, dez modelos desta marca estão grafitados e parcialmente enterrados. Um lugar bem interessante…

ALBUQUERQUE – NOVO MÉXICO

À tarde parti para Albuquerque, a 460 km. Durante quase todo o trajeto, pude usar o piloto automático. A Rota 40, com suas longas e infinitas retas, é convidativa. À beira da rodovia encontramos o Tomahawk, pequeno centro comercial indígena. O atendimento é extraordinário: índios vestidos a caráter mostram seus produtos cordial e pacientemente. E os preços são bem atraentes. Vale ressaltar que Tomahawk é o nome que os nativos norte-americanos dão a um tipo de machado (em outros tempos, uma ferramenta prática e de uso geral).

À noite cheguei a Albuquerque. A cidade, com 550 mil habitantes, é a maior e a mais importante do Novo México, mas não sua capital (que é Santa Fé). A principal atração turística e histórica da cidade é o Old Town, local onde a cidade foi fundada, em 1706. Diversas construções ainda conservam o estilo da época. A gastronomia mexicana tem forte influência nos cardápios dos restaurantes locais. Outra influência latina é o nome da cidade, uma homenagem ao Duque de Albuquerque (na época, vice-rei da Espanha).

A famosa Rota 66 passava exatamente pelo centro.

Pernoitei ali e, no dia seguinte, caminhei até o Sandia Peak. A montanha oferece a melhor vista da cidade. Lá encontramos o teleférico mais extenso do mundo: são 5 km percorridos da base ao cume, situado a 3.090 metros de altitude. Em alguns momentos é possível avistar, do teleférico, grupos de animais selvagens. Decidi prolongar minha estadia e ir ao Fiesta Field, local de partida de voos panorâmicos de balão. Albuquerque é o mais importante centro de balonismo do país.

FLAGSTAFF – ARIZONA

No fim da tarde, segui para Flagstaff, a 520 km de distância. Devido ao atraso, decidi percorrer o trajeto parando apenas para abastecer. Flagstaff conta com 70 mil habitantes e sua economia é baseada na indústria madeireira. A cidade, com clima semi-árido e atmosfera acolhedora, fica na base da montanha mais alta do Arizona: o Pico Humphrey com 3.850 metros de altitude.

Chamou-me a atenção o Restaurante Delhi Palace, que serve pratos exóticos da culinária hindu. O atendimento é feito pelo próprio dono, um simpático hindu usando turbante característico. Antes de pernoitar, aproveitei para caminhar até a Floresta Nacional Coconino, a apenas 2 km do centro da cidade.

Outra etapa da viagem contemplava uma visita à Cratera do Meteorito e ao Grand Canyon. A Cratera do Meteorito fica a 70 km de Flagstaff. A cratera impressiona, principalmente pelo tamanho. Também podemos ver, no local, a cápsula lunar da Apollo, primeira nave a pousar na lua.

GRAND CANYON

Parti em direção ao Grand Canyon. A estrada que dá acesso ao parque atravessa uma floresta de coníferas – um visual fantástico e marcante. O percurso de Flagstaff até o mirante do Grand Canyon é de 130 km.

O Grand Canyon é considerado uma das sete maravilhas do mundo. Seu vale foi moldado pelo Rio Colorado, ao longo de milhares de anos. Em alguns pontos a profundidade chega a 1.600 metros.  A primeira impressão que o Grand Canyon causa é de espanto, devido à extensão do lugar. A rocha mais antiga tem 1,7 bilhões de anos e a mais nova, 250 milhões. Uma experiência imperdível é passar o dia no mirante e acompanhar as mudanças de cor que a luz solar provoca nas rochas. A cada hora, surge uma tonalidade diferente. Simplesmente fantástico!

Antes de retornar a Flagstaff, fiz uma breve parada em um complexo de restaurantes a poucos metros do parque. O local tem música ao vivo e mesas ao ar-livre.

LOS ANGELES – CALIFÓRNIA

Último dia de viagem – e apenas 750 km até o Oceano Pacífico. A nova etapa contemplava a travessia de metade do Arizona e a Califórnia em sua totalidade.

A Califórnia é o estado mais populoso do país, com 38 milhões de habitantes, além de contar com o maior centro industrial dos EUA.

Depois de percorrer 620 km, cheguei a Victorville, cidade com 65 mil habitantes. Minha intenção era apenas abastecer, mas, de repente, vi centenas de motocicletas. Era o H.O.G. – Harley Owners Group. Era domingo e o grupo voltava de um passeio. Permaneci quase duas horas no local, tempo suficiente para fazer ótimas amizades. Minha motocicleta se destacou por conta da placa de Nova York e por ser uma máquina japonesa. Cheguei a Los Angeles no fim da tarde. Decidi dar uma rápida passada pelo centro e fui à praia. A visão do Oceano Pacífico era, para mim, a perfeita tradução de uma conquista pessoal.

DISTÂNCIAS PERCORRIDAS

Nova York x Québec – 830 km

Québec x Toronto – 803 km

Toronto x Detroit – 410 km

Detroit x Chicago – 460 km

Chicago x St. Louis – 480 km

St. Louis x Oklahoma City – 800 km

Oklahoma City x Albuquerque – 874 km

Albuquerque x Flagstaff – 520 km

Flagstaff x Cratera do Meteorito x Grand Canyon x Flagstaff – 400 km

Flagstaff x Los Angeles – 750 km

Total: 6.327 km

Confira a Parte 1 e Parte 2 dessa aventura.

*Matéria publicada na edição #131 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA