Pilotando por Lumiar (RJ) a bordo de uma Honda VFR 1200X

Lumiar (RJ)

A bordo de uma Honda VFR 1200X, exploramos Lumiar (RJ), um lugar cheio de luz e magia

Texto: Suzane Carvalho
Fotos: Suzane Carvalho e Caio Mattos

O  motor da VFR 1200X tem 1.236cc distribuídos em quatro cilindros dispostos em “V” a 76° e despeja uma potência máxima de 129,2 cv a 7.750 rpm e um excelente torque de 12,8 kgf.m a 6.500 rpm.  O câmbio tem seis marchas; e aqui começa a diversão: você pode deixá-lo no modo “Drive”, ou seja, automático, automático com “Sport” selecionado, onde as marchas são trocadas com o giro um pouco mais alto, ou totalmente manual, com as trocas feitas através de dois interruptores que ficam ao alcance dos dedos da mão esquerda.  É como se fosse um joystick – e nem é preciso desacelerar para trocar as marchas.  Mas se você reduzir sem estar com o acelerador aberto, o “punta-taco” ou “blipping” (elevação da velocidade do motor antes da troca de marcha) é feito de forma eletrônica e eleva o giro automaticamente.  Quando no automático, o sistema eletrônico identifica o tipo de rodagem e adapta a troca de marcha ao estilo do piloto.  Mas mesmo no modo automático é possível reduzir ou alongar as marchas na hora que você quiser. A relação diâmetro x curso dos pistões é de 81 x 60 mm. Curso menor, giro que sobe mais rápido. A taxa de compressão também é boa: 12:1. Enfim: você já percebeu que viajar com uma máquina como esta é diversão garantida. Imagine, então, ir a um lugar mágico, de natureza belíssima e até cantado em uma bela canção de Beto Guedes. Seja bem-vindo a Lumiar.

ACORDAR EM LUMIAR

Lumiar foi fundada por volta de 1828 por famílias de origens suíça e alemã, que se deslocaram para lá pouco depois da fundação da cidade de Nova Friburgo por D. João VI, em 1820.  Ele enviava os colonos que, insatisfeitos, começaram a se evadir e a se instalar no Vale do Rio Macaé, ao longo dos rios Macaé, Boa Esperança, São Pedro e Bonito, formando a localidade que dista 30 km de Nova Friburgo, de onde, hoje, é o quinto distrito.

Uma curiosidade de Lumiar é que sua altitude varia de 350 metros (São Romão) até mais de 2.140 (Boa Esperança). A temperatura média anual gira em torno dos 26°c, podendo ir de 0 a 35.

Lumiar nunca teve um “boom” turístico, mas há sete anos, após o asfaltamento do trecho da Rodovia RJ-142 (que é chamada de Estrada Serra-Mar e vai até Casimiro de Abreu), o movimento vem crescendo, já que a ligação até Macaé, onde temos uma base da Petrobrás e muitos estrangeiros, é de apenas 125 km; e de 140 km até Búzios. Com isso tornou-se a serra mais próxima do litoral norte do estado do Rio de Janeiro.

Em 1977, de tanto ouvir falar em Lumiar, o compositor Beto Guedes fez uma música em homenagem ao local, sem sequer conhecê-lo (o que só aconteceu depois).  Para minha sorte, eu a conheci em 1982.

CHEGAR A LUMIAR

Para chegar a Lumiar, saí com a VFR 1200X de São Paulo (SP), via Indaiatuba (SP), onde tinha um compromisso profissional. Devido a isso, segui pela Rodovia dos Bandeirantes, depois pela Rodovias Dom Pedro, Carvalho Pinto, Dutra, BR-101 e RJ-142, em um total de 820 km.  No trecho de alta velocidade, pude conferir a performance do motor e da dupla embreagem: coisa de deixar qualquer motociclista feliz.  A injeção eletrônica é com sistema Throttle by Wire. As trocas de marcha são tão suaves que quase não se percebe.  O giro do motor cai somente 400 rpm, pois a dupla embreagem intercala as relações 1ª, 3ª e 5ª com 2ª, 4ª e 6ª.  A transmissão final por eixo cardã contribui para a suavidade.

Claro que peguei noite na estrada, mas o farol tem lâmpadas de 55W e não se passa despercebido por nenhum motorista.  É possível ajustar a altura, o que é recomendável, assim como a do para-brisas. Os protetores das mãos também são ajustáveis. A iluminação do painel, branca e com números pretos, é de excelente leitura. Cheguei à pequena cidade com bastante tranquilidade.

Lumiar vive exclusivamente do Turismo. São aproximadamente 40 pousadas, além de campings.  Por lá, as atividades vão desde o Turismo-Aventura passando por Turismo-Ecológico, Turismo-Cultural, Turismo-Spa, Turismo-Rural, Turismo-Gastronômico, e, por fim, Turismo-Reflexão.

Há a prática de Mountain Bike, arvorismo, rafting, rapel, canoagem, caminhadas ecológicas de diversos níveis de dificuldade e escaladas. A fauna é outra atração. São 88 espécies listadas pelo pessoal da região.  Não é preciso procurar para se avistar pássaros vermelhos, azuis, amarelos e multicolores.

OLHAR, VER E RESPIRAR

O Poço Feio foi uma das primeiras cachoeiras a chamar a atenção. Foi onde estive em minha primeira ida e, desde então, não havia voltado. Após mais de 30 anos, fiquei satisfeita ao ver que o lugar não foi destruído e que a cultura da ecologia manteve o local quase intacto. Os 4 mil habitantes da região respeitam a natureza e pedem isso a seus visitantes.

Para alcançar as cachoeiras e trilhas, andei por estradas de terra e foi onde o fácil e rápido ajuste da suspensão dianteira me ajudou. O retorno dos amortecedores se dá por um simples acerto no parafuso acima das bengalas.  São 14 “clicks” e mudei bastante, já que carrego em minha pochete uma chave de fenda com protetor (e também um calibrador de pneus). Não há ajuste para compressão dos amortecedores, mas há ajuste da compressão das molas, que se faz, também, acima das bengalas. Mas é preciso o uso de uma chave do tipo “boca”, encontrada no jogo de ferramentas, abaixo do banco. Já a compressão da mola da suspensão traseira pode ser ajustada simplesmente rosqueando com a mão; e o amortecedor, que é com nitrogênio pressurizado, também se dá através de chave de fenda.  É bom mudar, se você vai colocar ou não peso na traseira.

As duas rodas têm sensores de velocidade que enviam os dados tanto para o modulador do ABS quanto para o medidor da tração da roda traseira. O Controle de Tração (TCS) entra em ação quando é detectado que a velocidade da roda traseira está maior do que a da dianteira. Ele detecta, também, se tiver flutuação anormal da roda traseira reduzindo temporariamente a transferência de potência do motor.  Mas ele pode ser facilmente desligado com a moto em movimento. Isso ajuda quando entramos em um trecho de terra com pedras soltas ou pegamos gelo no caminho. A suspensão tem 165 mm de curso na frente.  Na traseira, que é do tipo Pro-Link, 146 mm.O chassi é em alumínio, do tipo Diamond Frame.

Assim, curtindo a moto e as belas paisagens, fui seguindo atrás de novos lugares e minha próxima parada foi a cachoeira Indiana Jones, que nos faz lembrar da série de filmes a que ela se refere. Ela tem uma fenda com aproximadamente 12 metros de altura e 2,5 metros de largura, com pedras por cima, por onde é possível caminhar até encontrar outra cachoeira. Mas isso só é possível quando o rio está baixo e as águas, com pouca força.

Outra bonita cachoeira é a São José, em Boa Esperança. Está bem estruturada para receber os turistas e tem até piscina de água doce e bar. Já na Rodovia RJ-142, no trecho que vai de Lumiar a Casimiro de Abreu, surge o Encontro do Rio Bonito, que vem da esquerda e do Rio Macaé, que desce da direita e segue para o litoral.

Outra atração é a Pedra-Riscada, onde é possível subir seus 500 metros, até 1.343 de altitude, através de trilhas; ou escaladas e acampar. O que acho muito bonito é que a estrada acompanha a extensão do Rio Macaé.

FICAR EM LUMIAR

Escolhi o Parador Lumiar, a 835 metros de altitude, para ficar. Localiza-se em um vale próprio, com nascentes, cachoeiras, lareira no quarto, ofurô na varanda, cavalgada com Manga-Larga Marchador, jipe tour, terapia corporal, adega, piscina de água mineral, orquidário, heliponto, gym, sauna a lenha, seca e a vapor, horta própria sem agrotóxicos, lago para pescaria, campo de futebol, churrasqueira, massagem, aquecedor de toalha, duchas quentes e pressurizadas e aquecedores solar e à lenha.

Faz parte do “Roteiro de Charme”, que reúne 66 pousadas de todo o Brasil, e tem uma refinada cozinha internacional.  Fiquei fã do suco de luz e do risoto de raízes de legumes e cogumelo Eringuy. Já no centro de Lumiar também surgem lugares bacanas para passear. É o caso do Casarão Cultural, uma espécie de mercado com lojas, restaurantes, praça com coreto e fonte (e onde acontecem os eventos culturais).

ECONOMIA

Não foi preciso abastecer a moto durante os dias em que passeei pela região.  O tanque de combustível da VFR 1200X tem excelente capacidade para 21,5 litros. O consumo varia muito de acordo com a maneira como você irá pilotá-la (e do tipo de combustível utilizado). Com isso, pode variar entre 14 e 20 km/litro. Se você colocar uma boa gasolina e acelerar moderadamente, pode fazer até 430 km com um tanque. Tem computador de bordo, que mostra o consumo instantâneo e, também, a autonomia, depois que você atinge a reserva.

Com o peso de 261 kg, só tive que ficar atenta para manobrar a moto, mas não passei por nenhuma dificuldade. A altura mínima do solo é de 17,9 cm e o banco fica a 85 cm. As cores disponíveis para a aventureira tecnológica VFR 1200X são o vermelho metálico e o branco perolizado.  Ela custa R$ 76.979,00 (base São Paulo).

*Matéria publicada na edição #163 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA