Roteiro Aventura – Sertão do Seridó – Caminhos Sertanejos

Sertão do Seridó

No Rio Grande do Norte, Sertão do Seridó é um destino e tanto para quem quer conhecer panoramas belos e inusitados

Texto: Egon Jenckel
Fotos: Iuri Garcia/Egon Jenckel

Muitas vezes, ao falarmos da região nordeste do Brasil, fazemos uma associação com belas praias, mares de águas cristalinas e capitais em franco desenvolvimento. De imediato, nossas lembranças passeiam por Salvador, Recife, Maceió, Aracaju, João Pessoa, Natal, Fortaleza… Sem dúvida, são lugares de beleza ímpar e com inúmeros atrativos. No entanto, vale a pena deixar esse roteiro à beira-mar de lado e aventurar-se pelo sertão nordestino.

Novos cheiros, sons e paisagens surgirão a cada quilômetro e você terá mais do que novas histórias e fotos na bagagem… Vivenciar um pouco do sertão nordestino é compreender o significado do que escreveu Guimarães Rosa, em “Grande Sertão Veredas”: “A beleza, aqui, é como se a gente a bebesse, em copo, taça, longos, preciosos goles servida por Deus. É de pensar que também há um direito à beleza, que dar beleza a quem tem fome de beleza é também um dever cristão”. (sic).

“Grande Sertão Veredas” se passa em terras entre Minas Gerais e Bahia (tanto que, hoje, ali existe o “Parque Nacional Grande Sertão Veredas”), mas as palavras do escritor são aplicáveis a qualquer outro canto do que chamamos de “sertão”. E são muitos os caminhos que surgem do sul ao norte do Brasil. Assim como é extenso o nosso sertão, também é extensa sua riqueza. Para conhecer melhor suas paragens, partimos de Natal, capital do Rio Grande do Norte, rumo à região do Seridó.

VIDA NOVA

Assim que Natal ficou para trás, começaram a surgir pequenos vilarejos ao longo das Rodovias BR 304 e 226, que nos levariam por uma aventura entre as cidades de Currais Novos, Caicó, Carnaúba dos Dantas, Jardim do Seridó… Neste trecho, o asfalto da BR 226 acha-se em bom estado e com sinalização idem. Longas retas caracterizam o percurso, que, em alguns momentos, apresenta curvas mais acentuadas. Enquanto você acelera para o vento aumentar e minimizar o calor, surgem novas paisagens. Dependendo da época do ano você verá as margens das rodovias tingidas por uma cor de terra. No entanto, em épocas de chuvas, o verde domina a paisagem, emergindo como uma nova vida do chão. Também surgem as barracas de frutas à beira do caminho – e com elas, a possibilidade de estacionar a moto e “sentir o gosto” da região saboreando as delícias do sertão: pinha, pitomba, cajá, umbu, manga e graviola.

SEMPRE EM FRENTE

Rume, então, para Currais Novos. A entrada da cidade fica após uma acentuada curva da BR 101 e, logo de cara, uma igrejinha de Nossa Senhora de Sant’ Ana abençoará sua chegada.

Antiga aldeia dos índios Canindés e Janduís, a cidade deve seu nome à construção, pelo coronel Cipriano Lopes Galvão, de três currais, por volta de 1755, o que estimulou o povoamento local. Currais Novos, hoje, tem 41 mil habitantes e, em seu “centrinho”, podemos testemunhas antigas construções, praças e coretos. A cordialidade dos moradores impressiona – o motociclista é sempre bem-vindo. Tanto que uma das principais festas da cidade (perde apenas para a da padroeira da cidade, Nossa Sra. de Sant’Ana) é o “Cactus Moto Fest”, que acontece anualmente em março e reúne milhares de viajantes. A cidade tem boas e simples opções em bares, restaurantes e hotéis; mas o que mais surpreende é seu entorno. Serras, picos, barragens, rios, açudes e lagoas envolvem o município. Lugares como o Pico do Totoró, na Serra do Chapéu e na Pedra do Cruzeiro; as serras da Catunda, da Acauã, do Piauí; e o Brejuí, antiga mina desativada com 60 km de túneis e galerias (propícios ao off-road, trekking e montanhismo). Não espere uma infraestrutura sofisticada ou placas indicativas quando pilotar nesses lugares. São destinos ainda preservados, de natureza “bruta” – e o melhor jeito de conhecer a região é contar com um guia especializado.

MAR… NO SERTÃO?!!

Explore a região de Currais Novos e volte para BR 101. Rume, então, para Acari, uma das mais antigas cidades do Seridó e antiga aldeia dos índios Cariris. É considerada a cidade mais limpa do Brasil e abriga importante acervo religioso do século XVIII, como a Igreja de Nossa Sra. do Rosário e o Museu Histórico de Acari, ambos tombados pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1964.

Pilote pela cidade e explore seu acervo religioso-histórico – e então, rume para a Serra do Bico da Arara, onde há grutas e lindas paisagens. Acelere para o Açude Gargalheiras, cruzando paisagens típicas do sertão (com vegetação baixa e retorcida), e maravilhe-se com uma surpresa no meio do caminho: uma típica vila de pescadores, com pequenas casas coloridas à beira da estrada e redes de pesca nas varandas. Logo após a vila está a explicação para esta “miragem”: o Açude Gargalheiras é um verdadeiro “mar” de água doce, com ilhas e cercado por lindas formações rochosas. Aproveite e almoce em um restaurante à margem da represa, degustando um peixe fresco que pode ser preparado com molho à base de camarões. O prato é barato, farto e delicioso!

DUNAS

É possível pilotar por caminhos asfaltados nesta região – mas, sem dúvida, os melhores percursos são os de terra ou de pedra. Quem curte caminhos off-road encontrará cenários perfeitos para trilhas. E quem quiser acelerar de verdade em meio às dunas pode se dirigir à Mina do Brejuí. Lá, procure a administração e solicite autorização para conhecer e pilotar nas dunas formadas por resíduos não aproveitados ao longo de anos de exploração de scheelita. Uma areia fina forma o piso, cheio de aclives e declives. Caso prefira não “radicalizar”, apenas acelere em meio às dunas e teste suas aptidões motociclísticas em meio à areia – muita areia!

GENTE BONÍSSIMA

Ao viajar por aqui, contate o pessoal do Cactus Moto Clube. É uma galera do bem, que sempre recebe de braços abertos os motociclistas que viajam pelo Seridó. A turma fez de Currais Novos uma espécie de “Capital do Motociclismo” do Seridó. Repare, também, que o Governo do Rio Grande do Norte dá importantes incentivos à região. É notório o trabalho realizado pelo Vice-Governador, Iberê Ferreira de Souza, e pelo deputado Ezequiel F. de Souza. Ambos promoveram melhorias nas estradas locais e continuam a lutar pela capacitação de mão de obra e o incentivo à produção agrícola, industrial e turística. Com isto, o sertão começa a se transformar, tornando-se mais rico, sob todos os aspectos. Coincidência ou não, Ezequiel e Iberê são inveterados motociclistas.

COMO CHEGAR

A partir de Natal (RN) são 172 km até Currais Novos. Saia da capital potiguar pela BR-304 até Macaíba. No trevo siga pela BR-226

SERVIÇOS

Para contratação de guias especializados e passeios pela região a dica é contatar as secretarias de turismo das cidades:

Em Acari: Secretaria de Desenvolvimento Econômico Turismo de Acari: (84) 3433-3984

Em Caicó: Secretaria de Turismo: (84) 3421-2280

Em Currais Novos: Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo: (84) 3405-2755

Cactus Moto Clube

Av. Dr. Silvio Bezerra de Melo, 38 – Centro

Currais Novos / RN – CEP 59.380-000

Onde ficar

Hotel CCMD (84) 3412-2444

Rua Juventino da Silveira, 89 – Centro – Currais Novos

www.pousadaccmd.com.br

Tungstênio Hotel (84) 3431-1753 / 3431-2475

Av. Cel. José Bezerra, 25 – Centro – Currais Novos

Bistrô do Gargalheiras Pousada e Restaurante

(84) 9977-4150 / 9962-9612 – Povoado de Gargalheiras, s/n, a beira do Açude Gargalheiras – Acari

Hotel Park Mirante dos Picanço (84) 3417-1117

Rua Padre Eterno, 475 – Barra Nova II – Caicó

*Matéria publicada na edição #110 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA