Roteiro Aventura – Sorocaba (SP) – Desafios naturais

Sorocaba (SP)

 

Aventuras, trilhas e “gente boníssima” esperam pelos motociclistas em Sorocaba (SP)

Texto: Egon Jenckel
Fotos: Donizetti Castilho

A cidade de Sorocaba (SP) fica na região sudoeste de São Paulo, a 90 km da capital do estado. Faz fronteira com Porto Feliz, Votorantim, Mairinque, Itu, Araçoiaba da Serra, Salto de Pirapora e Iperó. A região apresenta um bom equilíbrio entre zonas urbanas e rurais e esbanja qualidade de vida. E, para os motociclistas, oferece trilhas de todos os níveis (e com variados tipos de piso).

HOSPITALIDADE

Os trilheiros da região são muito hospitaleiros e dispostos a guiar os visitantes, sempre respeitando suas capacidades de pilotagem. Assim, “encarretamos” as motos e seguimos para lá, em uma aventura que teve início no bairro rural de Inhaiba (cujo acesso se dá por uma estrada de terra com cerca de 4 km de extensão e localizada na margem direita da Rodovia Raposo Tavares, no sentido da capital).

INHAIBA

Com aproximadamente 800 habitantes, o bairro de Inhaiba não tem qualquer rua asfaltada (até hoje, depende do bairro Brigadeiro Tobias, ex-distrito de Sorocaba). De acordo com historiadores, os primeiros habitantes ali chegaram ao fim do século XIX. Conta-se que o arquiteto Ramos de Azevedo foi proprietário de muitas terras locais e que, graças à sua influência política, conseguiu instalar em Inhaiba uma pequena estação de trem (já demolida). Anos depois, grande parte das terras foi adquirida pela família Ermírio de Moraes, que até hoje mantém uma plantação de eucaliptos naquele bairro. Inhaiba, inclusive, abrigou uma vila operária para os funcionários da Fábrica Santa Helena.

TERRA!

Nosso ponto de partida foi o Pesqueiro Mata Virgem, local agradável com estacionamento, banheiros e restaurante. A cem metros dali estão as trilhas, a princípio, em meio a um eucaliptal, o que permite um “aquecimento light” para o trajeto. Na sequência, pegamos algumas estradinhas de servidão, deslocando-nos rumo à Fazenda Santa Maria, de propriedade do Grupo Votorantim. Naquele ponto, acessamos novamente as trilhas entre eucaliptos. Ali, elas começam a ter alterações de relevo e algumas dificuldades. Vale salientar: a 100 metros da portaria da Fazenda Santa Maria há um acesso exclusivo para a entrada de esportistas a pé, bem como de bicicletas e motos. A adrenalina é garantida, pois o lugar tem inúmeras trilhas que exigem habilidade e técnica. Para se ter uma noção do tamanho da fazenda: sua área estende-se pelos municípios de Sorocaba, Votorantim e Alumínio.

Nosso primeiro ponto de parada foi a Cachoeira da Escadaria. O acesso se dá por um caminho de pedra. Considerada uma das mais belas quedas d’água da região, é um dos pontos turísticos mais atraentes e charmosos da cidade. Conta-se que a escadaria de pedras foi construída pelos primeiros proprietários do Grupo Votorantim, para que suas famílias tivessem acesso ao local e ali pudessem se divertir. Trata-se de uma área de proteção ambiental, com diversas espécies de borboletas, pássaros e plantas nativas.

SERRA DE SÃO FRANCISCO

Com as baterias recarregadas, prosseguimos no sentido da Barragem do Cubatão. Mas, para chegar lá, teríamos que superar a Serra de São Francisco. O trecho inicial não exigiu muito do grupo. Ao final, nos deparamos com uma nova porteira. Lembrando que sempre devemos manter as porteiras fechadas após ultrapassá-las.

A brincadeira, então, ficou “séria”, pois as trilhas que levam ao topo da serra têm muitas pedras soltas, facões, lajes de pedra e uma inclinação “animal”. Mas, durante toda a subida, a vista é maravilhosa: à frente, a exuberância da Fazenda Santa Maria; ao fundo, as cidades de Votorantim e Sorocaba. No topo, o piso se altera: agora, areia e pedras caracterizam as trilhas. O trajeto nos leva à barragem da Represa de Itupararanga, responsável por grande parte do abastecimento de água para Sorocaba, Votorantim, Mairinque, Alumínio, Ibiúna e São Roque.

Nosso segundo ponto de parada foi em uma laje de pedra às margens da represa, onde o escoamento de um rio forma uma verdadeira “banheira de hidromassagem”. Mas tudo o que sobe tem que descer – assim, iniciamos a volta, descendo a Serra de São Francisco e entrando na “Trilha do Cano”, bem estreita. Chegamos às estradas de servidão da fazenda e nos deslocamos até o pesqueiro, renovados pela aventura e pela exuberante natureza.

Nesta trilha, acompanhamos a galera da Trail Trip, equipe paulistana de off-road que existe há 17 anos e já realizou mais de 100 passeios do gênero. O grupo é formado por dezenas de pilotos-monitores com idades de 10 a 60. anos. Mais informações: www.trailtrip.com.br

*Matéria publicada na edição #139 da revista Moto Adventure.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA