Longas viagens – Mundo afora – Parte 13

O que você realmente precisa saber se estiver disposto a fazer longas viagens e passar muito tempo na estrada

Texto e Fotos: Marcelo Leite

Nesta edição, abordaremos um assunto importante para quem vai ficar meses rodando longe de casa (e se aventurando por lugares remotos do mundo): comunicação.

Imagine que você está de moto, atravessando a belíssima região do Lago Turkana, ao norte do Quênia, o fantástico deserto de Simson, na Austrália, ou qualquer região distante e deserta. Sua moto pode quebrar; ou você pode se acidentar. E sua família pode querer saber como você está. Ou ainda: pode bater uma saudade dos filhos! Quais as alternativas para se comunicar?

Antes de entrarmos no assunto, cabe desfazer um pensamento bastante comum. Muita gente acha que “poder se comunicar”, em caso de problemas, é o que solucionará a situação. Sinceramente: se você precisar de ajuda no deserto na Mongólia, vai ligar para quem? Nessas situações, não sabemos a quem pedir ajuda – logo, não adianta ter uma boa solução de comunicação exclusivamente por esse motivo! Mas há muitas outras situações. Ter instrumentos de comunicação eficientes é fundamental, em muitos casos:

– Você precisa resolver problemas nos locais por onde está passando para, por exemplo: obter peças para a moto; tratar dos infinitos processos legais, como vistos e alfândega; fechar opções de logística ou hospedagem etc.

– Você precisa se comunicar com sua família, amigos, banco ou empresas no Brasil.

– É necessário que você possa ser contatado em qualquer lugar (ou a qualquer momento) por sua família ou empresa.

Há várias opções adotadas pelos “overlanders” (aqueles que fazem grandes expedições por terra, seja de moto ou 4×4) no mundo todo. Das mais simples às mais sofisticadas.

RASTREADOR POR SATÉLITE SPOT

Cada vez mais popular entre os motociclistas, esse pequeno aparelho permite que suas coordenadas GPS possam ser transmitidas para uma base central. Existem, basicamente, duas modalidades de uso:

– A primeira, conhecida como rastreamento “Follow-me”, emite, a cada dez minutos, sua posição. Com isso, você será rastreado o tempo todo. Nem todos gostam de ser seguidos assim, por questões de privacidade ou segurança.

– A segunda é comandada em dois botões pré-programados com mensagens específicas e disparadas quando você decide acioná-los. Tipicamente, uma mensagem envia algo como: “Está tudo bem!”; e a outra é como: “Estou com problemas!”. Nos dois casos, suas coordenadas são enviadas junto com a mensagem. Um terceiro botão está disponível para uso apenas nos países onde há o serviço, pago à parte, de resgate (em caso de emergência).

Em todas as modalidades, é você quem define os destinatários das mensagens – e como cada um irá receber essas informações. Pode ser em um site com acesso restrito, por e-mail ou até por alertas SMS. É uma excelente opção para quem o estiver acompanhando, mas não espere mais do que isso.

TELEFONIA MÓVEL

Acredite: a cobertura por celular (padrão GSM) é surpreendentemente abrangente no mundo todo. Encontrei sinal em quase todos os vilarejos africanos por onde passei, por mais escondidos que fossem! Em alguns locais, este é o único aparelho que requer energia elétrica e, por isso, existem pontos de energia alimentados por pequenos painéis solares. Nos dias de hoje, praticamente, onde há gente, há cobertura de celular. A questão é financeira. Fazer ligações internacionais pode corroer o orçamento de qualquer um. Veja algumas dicas de como minimizar esses custos:

– Leve um aparelho quadri-band (as frequências das operadoras podem ser diferentes em cada país), desbloqueado e, de preferência, com dois chips.

– Quando for ficar mais tempo em determinado país, compre um chip pré-pago de uma operadora local. Com isso, você terá uma linha para fazer tudo o que precisar no país (e ainda manterá seu numero brasileiro, para que possa ser contatado a qualquer momento).

– Quando tiver que se comunicar com o Brasil, evite usar voz e prefira fazer tudo por SMS. As mensagens SMS, mesmo internacionais, são muito baratas.

Apenas como referência, usando essas alternativas, quando estou em outros países, minha conta de celular fica em torno de R$ 50,00/mês.

SKYPE (SERVIÇO SKYPE-OUT)

O acesso à conexão de Internet, hoje, está disponível em qualquer aglomerado urbano. Na maioria desses lugares, a velocidade permite usar o Skype sem nenhum problema. Além de ser possível falar com todos aqueles que estão conectados sem pagar nada, o serviço ”Skype-Out” permite que você fale com qualquer telefone de qualquer país, pagando poucos centavos, como se fosse uma ligação local. Ainda é a melhor alternativa quando você está em um lugar com boa infraestrutura.

TELEFONE POR SATÉLITE ISATPHONE

Se você está planejando sair para uma grande expedição de moto de longa duração (ou para locais extremamente remotos e desafiadores), pense seriamente em investir em uma solução de telefonia por satélite. O mais conhecido é o IsatPhone, da Inmarsat (www.inmarsat.com). A cobertura é de 100% do planeta, com voz, SMS e até pequenos e-mails (limitados a textos). E ainda faz todas as funções de tracking do SPOT. Tecnicamente é, sem dúvida, a melhor solução e a mais abrangente.

A grande barreira é financeira, limitando, durante muito tempo, o mercado a usuários de grandes empresas. Mas esta situação começa a mudar, atraindo os grandes expedicionários. A aquisição de um aparelho requer aproximadamente R$ 3.500,00, no Brasil, e a assinatura mensal fica em torno de R$ 150,00. Não é barato, mas não é um “absurdo”. Tudo deve ser proporcional ao escopo de seu projeto. Por exemplo: se você pretende rodar durante um ano pela África, pode ser vantajoso.

Com as diversas soluções de comunicação disponíveis, é possível escolher a mais adequada à realidade específica de cada expedição (e ao seu respectivo orçamento). Você pode estar do outro lado do mundo e ainda assim se manter em contato com pessoas queridas (ou resolver questões profissionais). Assim, o mundo fica cada vez menor. As barreiras que poderiam impedi-lo de pegar sua moto e abraçar o mundo vão desaparecendo, uma a uma. Até a próxima!

Confira a Parte 1234567891011 e 12 da sessão Longas Viagens.

*Matéria publicada na edição #161 da revista Moto Adventure.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA