Viagem de moto para Maraú (BA)

Mágica península, Maraú (BA) apresenta locais de extrema beleza

Texto e Fotos: Egon Jenckel/Gian Calabrese

“Mistérios e algumas histórias se escondem nas águas translúcidas de Maraú.

Contam que, certa vez, frades da Ordem de Santo Inácio de Loyola aportaram nesta península, edificando um convento, em uma antiga fazenda na Costa Atlântica, vivendo em paz por muitos anos, até que piratas invadiram a área e os perseguiram. Estes, em fuga apressada, jogaram uma estátua de Santo Inácio, forjada em ouro, em uma fonte, a fim de escondê-la dos bandidos. Muitos anos se passaram e os moradores da atual vila de Barra Grande começaram a sonhar com os ditos, oferecendo-lhes a imagem perdida. Porém, os que tentaram esgotar a fonte para resgatar a imagem nunca tiveram sucesso, pois esta possui um minadouro inesgotável. Acredita-se que, até hoje, Santo Inácio espera, submerso, por um aventureiro que se arrisque a de lá tirá-lo. Que tal ser o próximo a tentar?”

O texto transcrito acima, extraído de um pequeno folheto sobre a Península de Maraú, instigava minha imaginação enquanto eu vencia a terrível, ainda que melhorada, BR-101. Já próximo do local almejado, o velocímetro caiu para uma média de 35 km/h. Com a noite avançando e a “buraqueira” aumentando, íamos passando por pequenos vilarejos com pessoas sentadas às portas das casas, muitas vezes, iluminadas por velas. Éramos vistos com curiosidade e seguíamos após cumprimentos e acenos. A bela paisagem de Mata Atlântica sinalizava que o destino escolhido seria de rara beleza.

Horas após termos cruzado a ponte de Camamu (último sinal de asfalto), chegamos à pequena Maraú. De lá, abastecidos pelo único posto de combustível da cidade, retornamos à BR 101 para encarar mais alguns km até Saquaíra, a praia que seria nossa base para este roteiro.

Finalmente… Saquaíra! Sobre o mar, o luar iluminava a praia, rodeada de coqueiros. Era oficial: estávamos no Paraíso.

A PENÍNSULA

Localizada no sul da Bahia, 180 km ao sul de Salvador e 100 km ao norte de Ilhéus, na região conhecida como “Costa do Dendê”, Maraú tem, por um lado, a baía de Camamu, terceira maior do Brasil; e do outro, o Oceano Atlântico. O acesso complicado fez com que o local conservasse os ares de antiga vila de pescadores e a natureza fosse preservada. Os rios, manguezais, cachoeiras e matas, hoje dentro de uma Área de Proteção Ambiental, apresentam um rico eco-sistema e são um convite aos ecoturistas e aventureiros. Não importa a direção, praia ou lagoa, em Maraú você sempre será surpreendido por um novo atrativo, como as lagoas do Cassange e Azul, que ficam praticamente à beira-mar. Ambas de água doce, cercadas por pequenas praias e matas. São vários os mirantes que permitem uma visão das praias e lagoas. No Morro do Celular, existe uma boa infraestrutura, com mesas e quiosques. Paga-se R$ 1,00 para subir o morro, mas, em compensação, temos direito a uma água de coco e a uma visão espetacular. Já no Morro do Farol não é preciso pagar nada – e ainda dá para encarar uma subida com erosão e areia.

Algodões, Saquaíra, Cassange, Taipús de Fora… Três Coqueiros, Barra Grande… Em cada uma dessas praias dá para se descobrir algo novo. Saquaíra é uma praia com coqueiros à beira-mar e ondas fortes. Taipús de Fora impressiona com suas piscinas naturais, formadas pela vazante das marés. Escolha sua piscina e se entregue à preguiça. Em Três Coqueiros, curta o pôr do sol. Indo para Barra Grande, dê uma volta pela vila e siga para um quiosque na orla. Sinta a brisa do mar e viva Maraú…

ROTAS E TRILHAS

Pilotar uma moto off-road por aqui é muito agradável e divertido. São caminhos cercados por coqueiros, lagoas e praias. Há diversas opções de roteiros. Dentre estes, o que parte da Praia de Saquaíra e nos leva por pequenas estradas de areia. Pelo caminho estão as lagoas do Cassenge e Azul. Vale subir para o Morro do Farol e, do alto, curtir a paisagem das praias. De lá, a dica é seguir rumo a Taípus de Fora e, daí, pela praia, ir para Três Coqueiros e Barra Grande. Nesta região é preciso estar atento à maré, principalmente no trecho de praia. É um roteiro tranqüilo, mas, lembre-se: além da importância de circular com farol aceso, é preciso ter cuidado – afinal, a praia pertence às pessoas, não aos veículos. Portanto, respeite os limites.

Praticar o off-road em meio às belezas naturais de Maraú é fantástico. Fomos atrás de mais trilhas pela região e, para isso, nos juntamos a amigos “trilheiros” que conhecem diversos caminhos locais. Saímos pela Rodovia BR101 apenas pelo trecho de terra. Dali já sentimos que nossa aventura por novos caminhos teria visuais incríveis.

Durante o passeio, seguimos para o “Farol” – o desafio eram as areias e dunas, mas o visual compensou o esforço e fomos brindados com um final de tarde inesquecível. Após alguns pequenos tombos no “areião”, seguimos para a parte de dentro da praia de “Taipú” e, lá, outra recompensa aos aventureiros: uma porção de frutos do mar e uma boa dose de água de coco. Foi um momento especial, que coroou as aventuras do dia.

EXPLORE A REGIÃO

Há a opção de se alugar motos e quadriciclos, mas também vale a pena se aventurar pelas praias e lagoas através de uma boa caminhada. Há guias e agências especializadas e recomenda-se a contratação destes serviços. Tais agências também oferecem outras opções de passeio, como off-road a bordo de jipes, passeios de “air boat” e mergulhos.

Maraú oferece um grande leque para essas atividades. E são várias as surpresas durante os passeios. Para quem gosta de caminhadas, a trilha das Bromélias Gigantes é boa pedida.

Para quem não dispensa altas doses de adrenalina, o passeio de “air boat” é o mais indicado. Neste caso, a alta velocidade e as manobras radicais aliam-se a paradas em pequenas ilhas, onde se pode degustar uma lagosta ou guaiamum, uma espécie de caranguejo.

Para quem aprecia mergulhos, é possível optar entre snorkell e mergulho com cilindro. O local conta com uma das mais belas piscinas naturais do país, mas, para desfrutar deste paraíso natural de corais, acorde cedo e pegue a maré baixa. Aí sim, você descobrirá os verdadeiros encantos de um local cheio de magia e locais deslumbrantes!

COMO CHEGAR

Chegar a Maraú já constitui uma boa dose de aventura. Existem três opções – e as duas primeiras são indicadas para os que gostam e estão acostumados com o off-road. Mas devem ser evitadas por aqueles que possuem carros de passeio e motoristas que tratem seus carros como “dondocas”.

No primeiro caso, siga pela BR 101 até o entroncamento de Ubaitaba e, desta cidade, continue pela BR 030. Serão aproximadamente 80 km de “buraqueira”. Esta é a opção que escolhemos.

A segunda é ir até Camamu e, de lá, cruzar a ponte, seguindo sempre por terra e estradas que são verdadeiras trilhas para Tapuia, Tremembé e Maraú. Serão poucos os km percorridos na BR 030, o que minimiza o percurso.

A terceira e mais comum opção é deixar o carro em Camamu e, desta baía, partir via mar para Maraú. Em Camamu existem locais para se deixar o carro com segurança e vários barcos ou lanchas que realizam o transporte para Maraú.

ONDE FICAR

Pousada Maraú (73) 3258.2113.

Localizada em uma área com 60.000 m2 , situada em um coqueiral de frente para o mar e as margens da Lagoa do Cassange, a pousada oferece chalés, apartamentos e casa para duas ou quatro pessoas. Possui bar, atendimento na praia, restaurante, salão de jogos e uma série de conveniências e serviços.

www.pousadamarau.com.br

Hotel Tetaroa (73) 3258-6150

São 16 apartamentos com vista para a piscina; ar-condicionado, TVs de 21”, Sky, telefone, frigobar e duchas com aquecimento solar.

www.hoteltetiaroa.com

ONDE COMER

Bar do Raul. (73) 9996-3625.

Fica no canto direito da Praia de Saquaíra e serve uma das mais tradicionais moquecas da região.

Restaurante da Pousada Maraú (73) 3258-2113

Na Praia de Saquaíra. Serve frutos do mar, carnes e aves. A comida, além de deliciosa, é servida com vista para o mar.

Casa Cláudio

Localizado na Praia de Saquaíra, o lugar é ideal para se deliciar com uma moqueca de lagosta, camarão e peixe, acompanhados por um delicioso pirão de banana. O dono é um pescador nato e sempre tem boas histórias para contar.

*Matéria publicada na edição #111 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA