Pilotando de São Paulo até Punta Del Este (Uruguai) – Parte 1

De São Paulo até Punta Del Este (Uruguai)

A bordo de uma Kawasaki Versys 1000, casal paulista percorreu 5.000 km por serras, canyons, lagoas e praias até o Uruguai

Texto: Sidnei Scigliano
Fotos: Sidnei Scigliano e Ana Maria Plateiro

Sidnei Scigliano é um motociclista bastante conhecido no universo das duas rodas, neto e filho de motociclistas. Nascido em 1954, Sidnei é mecânico de motos desde 1969 e, desde 1975, sempre deu as caras nas provas de motovelocidade, tendo conquistado vários títulos. Também foi sócio-fundador da Associação Paulista de Motociclismo, em 1975. Atualmente ele se dedica exclusivamente às competições e ao seu curso de pilotagem.

Para muitos leitores, talvez o nome Sidnei não seja familiar, mas se você disser “Sidão”, a coisa muda de figura já que Sidão é um cara que respira motociclismo e sempre dá um jeito de participar de competições, eventos e tudo que diz respeito a motocicletas. Recentemente ele arrumou um tempo em sua agenda e, juntamente com sua esposa, Ana, empreendeu uma viagem ao Uruguai. Veja como foi essa viagem, nas palavras do próprio Sidão.

A MOTO CERTA

“Eu e minha esposa, Ana, resolvemos viajar de São Paulo até Punta Del Este (Uruguai), passando pelos Canyons dos Aparados da Serra (SC/RS), Serra do Rio do Rastro (SC) e Urubici (SC). Por ser uma viagem mais longa, a escolha da moto era fator crucial, pois vale dizer que eu e Ana, juntos, somamos 120 anos de idade. Pedi então para Ana experimentar a garupa de diversos modelos de motos e escolher aquela que tivesse banco confortável e que mantivesse suas pernas em posição agradável e não encolhidas. De minha parte eu precisava alcançar com os pés o chão, pois tenho 1,64m de altura.

Surgiu assim a opção pelo estilo crossover, preferencialmente com aro 17 na dianteira, tendência mundial que me agrada muito, pois essas motos são excelentes para enfrentar a buraqueira dos diferentes caminhos. Mas a agilidade da máquina era outro quesito. Idem o peso. Inicialmente pensei em modelos de 650cc e peso em torno de 200 kg. Pesei prós e contras de diferentes marcas e modelos, até que, em meio a isso tudo, lembrei da Kawasaki Versys 1000cc, que pesa 220 kg, mas que desenvolve o dobro da potência com a maciez de um motor quatro cilindros. Vi ainda uma série de diferenciais e características da moto, alinhei com minhas necessidades e tive a certeza da escolha. Era hora, então, de correr atrás da moto e ir para a estrada.

RUMO SUL

Saímos da capital paulista rumo ao sul do Brasil em um dia ensolarado. De cara, pegamos a Rodovia BR-116. Nessa estrada tive uma primeira e boa constatação sobre a Versys 1000, pois graças à proteção da bolha, que é regulável, o vento em nada incomodava e nossos intercomunicadores funcionavam sem ruídos, deixando a viagem mais agradável, com bate-papo entre piloto e garupa fluindo normalmente. Ainda nessa estrada surgiu um primeiro desafio: chuva, muita chuva, durante mais de 100 km, em meio ao trânsito pesado de caminhões e carros. A Versys, mais uma vez, mostrou sua valentia e continuou firme e segura. Para melhorar tudo suavizei a potência para modo “low”, liguei o controle de tração intermediário e aí nossa tranquilidade e segurança aumentaram muito. Logo chegamos a Mafra (SC) e fomos descansar, pois a nossa intenção era fazer uma viagem segura e prazerosa.

No dia seguinte voltamos para a estrada e aí começou uma verdadeira festa, pois nesta parte da viagem surgiram curvas e mais curvas. Pude então sentir a estabilidade da Versys, que mesmo carregada, abastecida, com piloto, garupa, alforges e baú, ou seja, algo em torno de 430 kg, comportou-se de forma excelente.

Depois, deixando Vacaria (RS) para trás, desviamos para cortar caminho e pegamos uma buraqueira durante cerca de 50 km de estrada. Mais uma vez a moto encarou tudo tranquilamente e assim rapidamente chegamos à Rodovia Rota do Sol (BR-453) e seguimos então para Cambará do Sul (RS), onde encontramos uma pousada bem aconchegante, povo hospitaleiro e um delicioso café colonial.

Confira a Parte 2 do roteiro.

*Matéria publicada na edição #183 da revista Moto Adventure.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA