motorama-r-80-gs-a-bmw-restomod-mais-aventureira-que-voce-vera-hoje-dakar

Para resgatar os anos dourados do então Paris-Dakar, um sul-africano decide dar um baita de um talento em um dos mais clássicos modelos que já disputaram a competição. O resultado você confere agora!

Texto: Guigo Pinheiro & Hugo Renault

Fotos: Devin Paisley

No mundo dos antigomobilistas (fãs de veículos antigos), existem dois tipos bem conhecidos: Os “mete-o-friso” e os “mete-a-serra”. Basicamente o primeiro, é quem acredita que as máquinas antigas são perfeitas e sagradas, e deve-se sempre preservar a originalidade dos veículos em todos os detalhes, a qualquer custo. O segundo tipo, é quem acredita que os veículos antigos podem ficar melhores em uma restauração, se houver a liberdade de melhorar alguns pontos com peças mais modernas. Estes são os criadores das restomods. Que em uma tradução livre, é o título que se dá para veículos que são restaurados e modificados ao mesmo tempo, e é deles que vamos falar na coluna Motorama de hoje.

A 42ª edição do tradicional Rally Dakar aconteceu no último mês de janeiro, e pela primeira vez foi realizada na Arábia Saudita, já que tudo mudou muito desde o começo da competição, que antes fazia o tradicional trecho “Paris-Dakar”.

Atualmente as motos que participam da competição são bem modernas, leves e portando um motor de no máximo 450cc. Mas isso já foi bem diferente: nos anos 80 por exemplo, máquinas como essa BMW R80 G/S, participavam da competição com seu porte robusto, simples e agressivo.

Esta versão que gostaríamos de te apresentar, é uma restomod da antiga R80 G/S. Seu dono, Mark Johnston é um entusiasta de customização e motos alemãs, e por isso resolveu pegar uma BMW pra homenagear o tempo de ouro do Rally Dakar, que foram os anos 80.

Mark reside na parte norte de Cape Town, na África do Sul, e comprou a moto na cidade também sul-africana de Petrória.

“Eu não estava muito preocupado com a condição geral, já que a maior parte seria substituída de qualquer maneira durante a customização”, diz ele. “Mas a moto estava OK no final das contas”.

O grande lance é que apenas “OK” não era o suficiente para Mark, e então ele enviou o motor para VolkerSchroer, em Porto Elizabeth. Volker desmontou completamente o motor e remontou cada detalhe com algumas possíveis substituições de pequenas peças e usinagem de alguns novos componentes. Além de todo o esmero no trabalho, utilizou ainda um kit de preparo da Sibenrock que elevou a cilindrada original da moto de 797,5cc para incríveis 1000cc.

O preparo começou no motor e chegou até o novo sistema de escapamento, desta vez mais esportivo, utilizando uma ponteira Akrapovič.

Ao voltar pra casa, Mark ainda customizou o chassi e outros componentes da moto, por exemplo, empregando uma suspensão dianteira invertida WP de 48mm, retirada de uma KTM 525 EXC.

A parte traseira da moto também sofreu alterações de estrutura, tendo a balança alongada em duas polegadas e recebendo uma nova suspensão monoamortecida de uma marca local especializada em motocicletas.

O sub-quadro também é novidade, construído com o intuito de deixar a moto com um visual mais simples e retrô, recebeu um novo banco minimalista junto ao pára-lama traseiro e “grelha” para cargas.

A parte frontal conta com um tanque especial de rally da HPN, que recebeu a pintura clássica da Marlboro usada pela BMW nos antigas edições do Dakar dos anos 80, além de uma máscara para o farol original que era utilizada pela montadora também no Rally Dakar.

Além das modificações citadas, houveram uma infinidade de pequenas mudanças com as quais Mark se preocupou visando melhorar a moto, pensando primeiramente em performance, mas sem deixar de lado a parte estética do projeto.

Esse é um ótimo exemplo de customização que além de cuidar do visual e que se preocupa bastante em trazer um conceito funcional para a moto.

Temos também de lembrar que toda alteração estrutural nas motos podem ocasionar deficiências na ciclística ou até mesmo em sua estrutura. Todas as alterações feitas neste caso foram estudadas e manipuladas por profissionais qualificados, e foram homologadas de acordo com as leis de seu país de origem.

Deixe uma resposta