Viagem de moto para Urubici, na Serra Catarinense

Urubici, cidade encravada na Serra Catarinense, é a nova a Meca do Motociclismo de Aventura

Texto: Egon Jenckel/Marcos Zilli
Fotos: Marcos Zilli

WEEKEND

Urubici, cidadezinha com 10 mil habitantes encravada na Serra Catarinense, cada vez mais se torna um ponto de encontro para viajantes do Brasil e do exterior. Ali, todos os dias, chegam aventureiros em busca das belas paisagens locais. Isto porque o caminho até Urubici já traz uma surpresa a cada curva. Saindo da capital catarinense, Florianópolis, surgem várias possibilidades, entre estas: pela Serra do Rio do Rastro, passando pelas cidades de Orleans, Lauro Muller e Bom Jardim da Serra. Também é possível viajar pela Rodovia BR 282, caminho mais curto, que atravessa a Serra da Boa Vista e a Serra do Panelão, já na chegada à Urubici. Outro acesso muito utilizado é via Serra de Corvo Branco, passando por Gravatal e Braço do Norte. Se você curte off-road, também há caminhos excelentes.

CIDADE LEGAL

Além dos inúmeros pontos turísticos, Urubici é uma das cidades da Serra Catarinense mais bem estruturada para receber visitantes. São cerca de 1.500 leitos distribuídos em mais de 50 pousadas e hotéis, além de bons restaurantes, bares e lugares para tomar um café ou chá no fim de tarde. Destaque para a Pousada das Flores e para o Emporium Serra do Sol, especializados em receber motociclistas e que oferecem preços exclusivos para nós. Lembrando que a pousada está sendo ampliada e que terá uma oficina montada para quem precisar mexer em sua máquina.

ATRATIVOS

Os atrativos naturais da cidade são um show à parte. O Morro da Igreja, de onde se pode avistar a Pedra Furada, é o ponto habitado mais alto do sul do Brasil – ali já se registrou a temperatura recorde de -17o C, em 1997. No caminho para o Morro, na Cascata Véu de Noiva, foi criada uma estrutura caprichada, com restaurante, banheiros e suvenires. Vale a pena conferir as delicias caseiras preparadas pelos proprietários, Denilson e Andréia.

Depois do Morro da Igreja, é hora de ir a um lugar que arrepia até o mais insensível dos motociclistas: a Serra do Corvo Branco, um mito para os aventureiros. Lá sempre há alguém rodando de moto e fotografando os paredões e curvas da serra. Para os que quiserem dar uma esticadinha “extra”, a dica é descer a serra e subir o Rio do Rastro, percorrendo as duas principais serras catarinenses no mesmo dia.

LUGARES BACANAS

Ao voltar para Urubici, não se esqueça de passar no Emporium Serra do Sol, anexo à Pousada das Flores, e retirar seu diploma e “patchs” termocolantes das serras. Também está sendo implementado um passaporte com vários pontos de carimbo no roteiro, com descontos e promoções para quem percorrer as serras. A ideia é que este serviço entre em funcionamento no inverno de 2014. Aliás, estando no Emporium (e com a moto já estacionada), prove uma das mais de 80 cervejas ou um dos 100 vinhos da carta disponível. Aproveite, também, para experimentar a deliciosa truta defumada com ravióli de alho poró. Imperdível!

MAIS PASSEIOS

No dia seguinte, aproveite para sair dos roteiros triviais. Acorde cedo, ligue a moto e suba o Campo dos Padres, um caminho acessível para Big Trails e outro “ponto alto” do sul do Brasil – porém, menos explorado que o Morro da Igreja. Você terá outra visão da Serra e poderá chegar até o Cânion do Funil, que fica nas encostas da Serra do Corvo Branco. Na volta, você poderá parar em uma das inúmeras propriedades rurais que vendem produtos artesanais, como mel e geléias. Outra dica: o mel de Urubici é considerado um dos melhores do mundo, sendo exportado em grandes volumes para a Alemanha e outros países da Europa. Portanto, aproveite e leve um pouco para casa!

VINHOS FINOS

Uma vez que Urubici fica no centro da região serrana de Santa Catarina, também é um ponto de partida para visitar outras cidades. Por exemplo: São Joaquim, que fica a apenas 60 km por uma estrada nova, com boas curvas e subidas. Em São Joaquim vale à pena conhecer a Vinícola Vila Francioni, pioneira na produção de vinhos finos de altitude e decorada com peças trazidas do mundo inteiro. Uma verdadeira obra de arte.

A visita precisa ser agendada com antecedência e acompanha uma degustação dos principais rótulos produzidos. Também é possível passar pelo Snow Valley, especializado em Turismo de Aventura e com atividades como: rapel, tirolesa, arborismo e passeios de quadriciclos.

BOM JARDIM DA SERRA

Visite, também, Bom Jardim da Serra, outra pequena cidade serrana localizada no topo da Serra do Rio do Rastro (e que fica em um terreno de campos e matas de pinheiros, com visuais fantásticos). Não deixe de conhecer a Usina de Geração de Energia Eólica, com mais de 70 torres com 100 metros de altura na borda de um cânion (este passeio também precisa ser agendado). Para chegar a Bom Jardim, você poderá seguir por uma estrada de terra, por dentro do Parque Nacional de São Joaquim. A estrada passa por picos de 1.700 metros de altitude, cruzando campos e rios. É um tour imperdível para motos on/off e Big Trails – no entanto, este trecho exige um pouco mais de perícia para ser percorrido. Mas o esforço é recompensado pela linda paisagem, típica dos campos de altitude.

URUPEMA

Também vale a pena conhecer Urupema, considerada a cidade mais fria do Brasil. As atrações principais são a praça central, que tem um lago de trutas (peixe típico da região) e o Morro das Antenas, ponto mais alto do município – onde, no inverno, ocorre o “Fenônemo do Sincelo”, que é o congelamento do nevoeiro (quando este encosta nos arbustos e cercas, muitas vezes sendo confundido com a neve). Entre Urupema e Rio Rufino foi construída uma nova estrada, uma das mais belas da Serra. De Rio Rufino, a estrada de asfalto segue até a Rodovia BR 282. Ou então, pode-se pegar um caminho de terra que o levará novamente para Urubici. É um trecho mais curto, porém, de terra.

GUIAS

Quem quiser conhecer mais a região pode contar com um serviço de guia especializado em tours motociclísticos. Basta contatar os serviços da SC Moto Riders Tour, cujo escritório fica junto à Pousada das Flores.

*Matéria publicada na edição #162 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA