Remodelada, nova versão da Yamaha YZF-R3 ganha cerca de 8 km por hora na aceleração

TEXTO: GUILHERME DERRICO

FOTOS: DIVULGAÇÃO

No dia 16 de agosto, fomos convidados pela Yamaha para testar a nova YZF-R3 no autódromo da Fazenda Capuava, no interior de São Paulo. Em sua segunda geração, a esportiva está com um visual ainda mais aerodinâmico, inspirado na “família R” das motos YZF-R6 e YZF-R1. Além das carenagens, são novidades os faróis e luzes de posição em LED, o painel 100% digital com Shift Light e os novos tanque de combustível, altura do guidão, suspensão dianteira invertida e mesa superior. “A R3 está sensacional. Durante os treinamentos com a nossa equipe de pilotos, pudemos sentir toda a evolução da moto e estamos muito contentes com esta melhora. A tendência é que a máquina ganhe simpatizantes tanto nas pistas quanto junto aos motociclistas do dia-a-dia”, diz Alan Douglas, responsável pela categoria de base de pilotos da Yamaha.

A parte frontal da R3 combina o novo design da carenagem com os dois faróis e luzes de posição inteiramente em LED. Possui duto de entrada de ar em forma de M, inspirado nas YZR-M1 do multicampeão Valentino Rossi e Maverick Viñales, e espaço para aplicação de números de corrida. Também conta com o duto central entre os faróis, com função de direcionar o fluxo de ar para o radiador, otimizando o sistema de resfriamento do motor. Toda a carenagem foi desenvolvida com a mais alta tecnologia em túnel de vento. O para-brisa, além de ter um visual mais arrojado, oferece ótimo desempenho aerodinâmico, reduzindo a turbulência ao redor da área do capacete.

Durante nosso test ride na pista, tivemos a oportunidade de sentir como a máquina é fácil de pilotar e, ao mesmo tempo, instigante. Para obter uma melhor eficiência aerodinâmica, durante a fase de projeto, a Yamaha deu atenção total à qualidade da superfície da carenagem, o que contribuiu para a melhoria da área de arrasto. “O resultado de todas essas mudanças foi o ganho de até 8 km/h na velocidade final da nova R3 em relação à geração anterior. Outro refinamento no design da R3 que ajudou na melhora aerodinâmica está no tanque de combustível. Sua altura foi reduzida em 20 mm, permitindo que o piloto consiga baixar mais o tronco sob o tanque, reduzindo a resistência e o arrasto do vento”, explica Douglas.

O tanque de combustível também está mais largo em 31,4 mm para melhorar a ergonomia, promovendo um melhor encaixe das pernas do piloto e aumentando seu apoio durante as curvas. Todas essas evoluções não alteraram a capacidade total do tanque, que é de 14 litros. A altura do guidão foi reduzida em 22mm para compor o novo posicionamento do condutor, assim como para melhorar a aerodinâmica. A mesa superior foi inteiramente redesenhada, ganhando um visual similar ao da YZF-R1M. Além de mais bonita e moderna, está mais leve.

PAINEL

O painel é totalmente digital e conta com caracteres grandes e indicadores reposicionados. Seu visual tem um layout mais limpo e leitura facilitada. Completo, traz informações como: indicador de combustível, indicador de marcha, conta-giros, indicador de consumo instantâneo e médio, hodômetro total e dois parciais, relógio, indicador de troca de óleo e temperatura do líquido de arrefecimento. Nele, ainda estão as luzes indicadoras de setas, sistema de injeção, farol alto, neutro, pressão do óleo e Shift Light.

Utilizado em modelos de alta cilindrada, o Shift Light é uma luz de advertência para indicar que a rotação para a troca de marcha foi atingida. Pode ser ajustado facilmente de acordo com a preferência do condutor, seja no nível de luminosidade (com três opções), na forma de acendimento (intermitente ou fixa) ou na rotação desejável a partir dos 7.000 rpm.

MOTOR

O motor bicilíndrico em linha da R3 tem a capacidade cúbica de 321cc. Conta com duplo comando (DOHC – Dual Over Head Camshaft), quatro válvulas por cilindro, arrefecimento líquido e alimentação por injeção eletrônica e é capaz de gerar potência e torque máximos de 42,01cv a 10.750 rpm, e 3,02 Kgf.m a 9.000 rpm, respectivamente. Nele, os pistões em alumínio são forjados (similar aos utilizados em motos de competição) e o cilindro utiliza tecnologia DiASil Yamaha, uma liga de alumínio e silício que proporciona menor vibração, melhor dissipação de calor e ganho em performance.

Parte do caráter se deve à sua eletrônica de última geração. Nela, a ECU de 16 Bit gerencia o moderno sistema de admissão que, em conjunto com a injeção eletrônica, é capaz de fazer com que a mistura de ar e combustível chegue de forma rápida à câmara de combustão. Com isso, a queima é mais eficiente, resultando em um consumo de combustível mais equilibrado e uma entrega de potência e torque mais contundentes.

FREIOS

Outra qualidade da nova Yamaha YZF-R3 é sua capacidade de frenagem em curtos espaços. Na dianteira, o modelo é equipado com um sistema formado por uma pinça de duplo pistão e um disco ventilado do tipo flutuante com 298 mm de diâmetro. Na traseira, o conjunto é formado por um disco ventilado de 220 mm e por uma pinça com pistão único. Tanto o freio dianteiro quanto o traseiro contam com sistema ABS. Seja nas frenagens bruscas de emergências ou em condições em que o piso ofereça baixa aderência – como em dias chuvosos ou asfalto sujo –, ele evita que as rodas travem, aumentando a segurança.

A motocicleta já está disponível nas concessionárias, com três opções de cores: vermelho fosco metálico (Red Velvet), azul metálico (Racing Blue) e a Monster Energy MotoGP Edition, uma combinação do preto metálico com o azul brilhante. Para as versões vermelho e azul, o preço público sugerido será R$ 23.990,00, mais o frete, e para a Monster Energy MotoGP Edition, R$ 24.490,00, mais o frete. A YZF-R3 2020 passa a ter quatro anos de garantia, além da Revisão Preço Fixo Yamaha, que permite ao cliente saber quanto pagará nas revisões periódicas.

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também