Em sua 31ª edição, Rally Cerapió se supera e premia todos os competidores com belas paisagens, trilhas técnicas e uma organização digna de uma prova com essa tradição

Texto: Doni Castilho
Fotos: Doni Castilho/DFOTOS

31ª edição Rally Cerapió

Entre os dias 24 e 27 de janeiro foi disputada mais uma edição do tradicional Rally Cerapió, que este ano contou com a participação de 160 inscritos, entre motos, quadriciclos e UTV’s. O Rally Cerapió é mais que uma competição, é uma aventura que leva competidores a cruzar o sertão e suas serras, além de trechos do litoral entre o Ceará e Teresina, capital do Piauí.

Um desafio inesquecível, já que, em quatro dias de prova, os competidores têm que atravessar cerca de 1.000 quilômetros nas mais diversas condições. E esse ano não foi diferente, entre as cidades de Trairi (CE) e Teresina (PI). Além do percurso muito técnico, que incluiu a travessia da Serra de Uruburetama, os pilotos tiveram que lidar com clima que, ora fustigou com chuva, ora com um sol escaldante.

E, no final, todos queriam mais! A prova foi unanimemente elogiada e, na opinião dos veteranos, a melhor de todas as edições. Acompanhe os quatro dias desta edição histórica:

Motos

1º dia, Trairi-Sobral (CE):

O Rally Cerapió 2018 começou no dia 24 de janeiro com um percurso que, de cara, surpreendeu os competidores das motos. O trajeto de 214 quilômetros, entre Trairi e Sobral (CE), contou com um alto grau de dificuldade. O ponto alto foi a descida da Serra de Uruburetama, na qual foi testada a habilidade dos pilotos. A prova passou também por Tururu, Itapajé, Irauçuba e Patos.

Na categoria Master, Tunico Maciel (#1), da Equipe Honda Racing, venceu as três etapas do dia. “Treinei muito e estou muito focado na competição. Tudo indica que daqui para frente novas surpresas aparecerão na prova. Minha moto nova foi perfeita e isso me ajudou muito a melhorar o desempenho nas trilhas”, conta o atual campeão.

Sandro Hoffmann (#32), representante da KTM, foi o melhor na categoria Sênior. “Fiquei bastante surpreso com o nível de dificuldade. O diferencial do dia foi a parte das serras. A parte das estradas também estava fácil de se confundir. Muito bom para esquentar a disputa”, conta.

Pela Moto Rally, cujo percurso é o mesmo dos carros 4×4, o vencedor foi Caio Araújo.

2º dia – Sobral (CE)-Parnaíba (PI):

O dia mais longo do Cerapió 2018 para as motos foi marcado pela diversidade. Os pilotos começaram o trajeto de 279 quilômetros, entre Sobral (CE) e Parnaíba (PI), com uma subida que levou à Serra de Muruoca, que exigiu ainda mais da descida por causa da chuva que caiu no local pouco antes da passagem dos competidores.

Outro ponto de destaque do dia foi a difícil Trilha do Caranguejo. Depois, o caminho seguiu por trechos de estradas, com laços e maior velocidade. Por fim, para mudar totalmente a pegada da prova, muita areia em um percurso próximo ao litoral.

Tunico Maciel (#1), da Equipe Honda Racing, conquistou mais uma importante vitória na Master em busca do bicampeonato. “Foi uma etapa bem completa e a navegação contou muito. Particularmente, eu gosto bastante de andar na areia, por isso, foi um prato cheio”, explica.

3º dia – Parnaíba (PI)-Piripiri (PI):

O penúltimo dia contou com uma sequência de laços que fez muitos pilotos se perderem com a navegação. Ao todo, foram 241 quilômetros entre Parnaíba e Piripiri (PI), em estradas abandonadas e trilhas.

O mineiro Tunico Maciel (#1) faturou mais uma vez o dia na categoria Master e abriu uma vantagem de 14 pontos para o segundo colocado, garantindo o favoritismo para a conquista do bicampeonato. “Mais um dia positivo, com muita navegação e que precisou de atenção redobrada. Agora é focar total para seguir com esse desempenho até o final”, diz.

Na Sênior e Over 40, dois supercampeões do Cerapió/Piocerá, Sandro Hoffmann (#32), piloto KTM, e Dário Júlio (#21), da Honda, respectivamente, mantêm a invencibilidade nas nove etapas disputadas até o momento (três em cada dia). “Meu objetivo é vencer a prova na categoria e não terminar invicto, mas se der para acontecer isso, será bom também”, brinca Dário.

Luiz Lobão Filho (#49), de Teresina, seguiu na liderança da Executivo, após mais uma vitória, assim também como Péricles Dutra (#23), de Londrina (PR), na Over 50.

4º dia – Piripiri-Teresina (PI):

O Rally Cerapió terminou na noite de sábado, dia 27, após quatro dias, e cerca de 1.000 quilômetros percorridos, em mais de 30 horas de emoção e aventura. E uma das melhores trilhas da região foi reservada para os competidores no último dia: a Trilha do Vale dos Dinossauros, uma trilha de pedras que mais lembra um circuito de trial (modalidade off road extremamente técnica). Sempre em subida, esse trecho da prova foi mais um desafio à habilidade e resistência dos pilotos, e causou até alguns congestionamentos.

E, ao final da prova, o piloto Tunico Maciel (#1) confirmou o favoritismo: venceu também o último dia e sagrou-se bicampeão da categoria Master. “Foi uma das provas mais complexas que já corri na minha vida, com muita dificuldade e navegação. Pegamos chuva, areia, poeira e estou muito feliz em começar o ano com o pé direito”, diz.

Neste ano, pela Sênior, Sandro Hoffmann (#32), da KTM, aumentou a participação na história do evento com o décimo título do Rally Cerapió/Piocerá. “Apesar do problema com o GPS, estou muito satisfeito com a prova. Posso afirmar que 2018 foi a mais pesada das 17 edições que participei”, conta.

Dário Júlio (#21), da Equipe Honda Racing, conquistou o tetracampeonato da competição invicto na Over 40. O piloto de Lavras (MG) levou as 12 etapas, disputadas três a cada dia.

A quarta e última etapa foi decisiva na Executivo. Piloto da casa, Lenilson Viana (#3), até então segundo colocado na geral da categoria, terminou o dia em primeiro e também subiu no lugar mais alto do pódio.

Na Over 50, Péricles Dutra (#23), de Londrina (PR), manteve a regularidade durante toda a semana para deixar o Piauí com o troféu de campeão da categoria. Revelação dos dois últimos anos do Rally Cerapió/Piocerá, Patrick Carneiro (#44), de Parnaíba (PI), já tem na conta dois títulos da competição: de 2017 na estreante e agora da Júnior.

Danilo da Motta (#57), de Araguaina (TO), foi o campeão da Novato e a dupla Saul Zakkour (#91A)/Leildo Silva (#91B), do Rio de Janeiro (RJ) e São José dos Campos (SP), lideraram a prova de Dupla até o final e comemoraram muito o momento de receber o troféu. “A sensação do lugar mais alto do pódio é incrível. Foi honroso ganhar esse prêmio”, diz Saul.

Na Moto Rally, na qual os pilotos fazem o mesmo percurso dos carros 4×4, quadriciclos e UTV’s, a disputa foi intensa, com o título definido somente no último dia. O maranhense Constantino Castro Neto (#106) faturou a quarta etapa e tornou-se campeão da categoria, com apenas um ponto a mais que o segundo colocado, Caio Cesar Araujo (#77), de Parnaíba (PI), que liderou todos os dias anteriores. “A competição foi muito específica. A cada dia, peguei o ritmo da prova e, no fim, consegui a vitória”, finaliza.

 

UTV’s

Modalidade que mais cresce entre os brasileiros, os UTV’s, também foram destaques do Cerapió 2018. Na categoria Graduado, Diogo Cavalcante/Wellington Rezende Junior (#602), com um Can-Am Maverick X3, dominaram em praticamente todos os dias e garantiram o lugar mais alto do pódio. “O evento este ano se superou. Essa foi a disputa mais prazerosa de que eu já participei, testou muito navegação e pilotagem. A chuva deu uma apimentada, gerando um pouco de dificuldade para a dupla”, comentou o piloto. “É uma realização, pois são oito anos participando do Cerapió e só agora conseguimos a primeira vitória. Então agora é só comemorar”, evidencia o navegador.  Em segundo lugar ficou a dupla de Fortaleza José Rufino da Sil Neto/Glauco Holanda Junior, e em terceiro, Claudio Pinheiro Cavalcanti/Luis Felipe Eckel de Aquiraz, CE. Todos a bordo de um Can-Am Maverick.

Entre a categoria UTV’s Novatos, Luana Buscaroli/Tulio Malta (# 611), da Terrabela Racing, foram os campeões e comemoraram muito o título. “A experiência foi demais. No penúltimo dia, fizemos uma etapa perfeita, sem erros. Estou muito feliz”, conta a piloto. “É tudo muito diferente das motos e a transição foi bacana. Gostei, senti um pouco de medo, mas aos poucos fui me adaptando e entendendo como funciona a navegação”, explica Tulio, que em 2017 foi o terceiro colocado na Master das motos. Em segundo ficaram os cearenses Felipe Colares Chaves/Gabriel Mesquita Santos, e em terceiro a dupla pernambucana Gustavo Menelau de Souza/Bruno Pereira de Menezes.

Quadriciclos

Depois de alguns anos sem o resultado esperado, Wescley Dutra (#309), da Graduado, conseguiu o bicampeonato na modalidade. “Fiz uma prova estratégica para administrar a vantagem, poupando o veículo e deu tudo certo”, explica o piloto de Fortaleza (CE), que venceu os quatro dias de competição.

Pela Novato, título invicto para André Luis Furtado (#303), de Belém (PA). “Semana de muita disputa, muita concentração e consegui conquistar o objetivo. A prova foi perfeita. Está todo mundo de parabéns e ano que vem a gente volta novamente”, finaliza.

Ações Sociais

O Cerapió é muito além de um rali. Junto com o evento são realizadas diversas ações sociais, como a distribuição de cestas básicas para o Rotary Clube Fortaleza Planalto. Há sete anos também acontece o projeto De Olho na Trilha, que, em parceira com a Óptica Jockey, de Teresina (PI), leva atendimento oftalmológico a comunidades carentes. Neste ano, o povoado do Zundão, localizado a 11 quilômetros de Altos (PI), recebeu a equipe.

Pelo quarto ano consecutivo, o Rallyteca, projeto sócio-cultural, parceria da Radical Produções, Maria Branca Produções Cultural e Artística, Instituto Cultural Saber e Ler Produções e Adi Produções, distribuiu 10 mil livros nas comunidades e povoados das cidades por onde o rali passou. As ações incluíram instalação de pontos de leitura e contação de histórias.

Classificação final – Rally Cerapió 2018:

UTVs – Graduado

1º Diogo Cavalcante / Wellington Junior #602 – Fortaleza (CE) – 230 pontos

2º José Rufino Neto/Glauco Junior #604 – Fortaleza (CE) – 220 pontos

3º Claudio Cavalcante/Luis Felipe Eckel #607 – Aquiraz (CE) – 218 pontos

4º Jaime Souza Neto/Ivo Mayer #603 – Parnaíba (PI) – 180 pontos

5º Alamo Souza/Fábio Machado #609 – Fortaleza (CE) – 169 pontos

UTVs – Novato (cinco primeiros)

1º Luana Buscaroli /Tulio Malta #611 – São Paulo (SP) – 238 pontos

2º Felipe Chaves/Gabriel dos Santos #616 – Fortaleza (CE) – 210 pontos

3º Gustavo de Souza/Bruno Menezes #610 – Recife (PE) – 194 pontos

4º Robson Santos/Juan Ferreia #613 – Eusébio (CE) – 177 pontos

5º Silvio Tiecher/Hyung Amorim #614 – Brasília (DF) – 174 pontos

Quadriciclo – Graduado

1º Wescley Dutra #309 – Fortaleza (CE) – 233 pontos

2º Italo Santiago #310 – Fortaleza (CE) – 228 pontos

3º Helio Pessoa #308 – Fortaleza (CE) – 221 pontos

Quadriciclo – Novato

1º Andre Furtado #303 – Belém (PA) – 250 pontos

2º André de Oliveira #302 – Manaus (AM) – 212 pontos

3º Lucas Guerra #307 – Teresina (PI) – 201 pontos

Motos – Master

1º Tunico Maciel #1 – Lavras (MG) – 289 pontos

2º Pedro Henrique Castrol Lage #5 – Timóteo (MG) – 262 pontos

3º Alvaro Amarante Almeida #2 – Lavras (MG) – 228 pontos

Motos – Sênior

1º Sandro Hoffmann #32 – Venda Nova do Imigrante (ES) – 291 pontos

2º Leonardo Malagutti #14 – São José dos Campos (SP) – 236 pontos

3º Lauro Lopes #8 – Teresina (PI) – 229 pontos

Motos – Executivo

1º Lenilson Viana #3 – Teresina (PI) – 282 pontos

2º Luiz Lobão Filho #49 – Teresina (PI) – 282 pontos

3º Amos da Silva #11 – Santo Antonio de Jesus (BA) – 234 pontos

Motos – Over 40

1º Dário Júlio #21 – Lavras (MG) – 300 pontos

2º Gilso de Moraes #28 – Londrina (PR) – 240 pontos

3º Cleberson Ovani #6 – Vitória (ES) – 225 pontos

Motos – Over 50

1º Pericles Dutra #23 – Londrina (PR) – 288 pontos

2º José Roberto Viana #66 – Santa Maria de Jetibá (ES) – 268 pontos

3º Amilar Rodrigues #34 – Timóteo (MG) – 243 pontos

Motos – Júnior

1º Patrick Carneiro #44 – Parnaíba (PI) – 249 pontos

2º Oscar Branco #38 – Teresina (PI) – 233 pontos

3º Tiago de Melo #36 – Luis Eduardo Magalhães (BA) – 213 pontos

Motos – Novato

1º Danilo da Motta #57 – Araguaina (TO) – 252 pontos

2º Eudes Barbosa Junior #47 – João Pessoa (PB) – 235 pontos

3º Djavan Loiola #74 – Pedro II (PI) – 216 pontos

Motos – Duplas

1º Saul Zakkour #91A – Rio de Janeiro (RJ) – 281 pontos
     Leildo Silva #91B – São José dos Campos (SP) – 281 pontos

2º Sandro Conci #83A  – Fortaleza (CE) – 247 pontos
     André Luiz de Souza #83B – Fortaleza (CE) – 247 pontos

3º Paulo Cabral #84A – Fortaleza (CE) – 227 pontos
     Clóvis Viana Junior #84B – Fortaleza (CE) – 227 pontos

VEJA TAMBÉM: Viagem de moto: Curitiba off road.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here