A bordo de uma KTM 990 Adventure R, exploramos a belíssima região de Cunha, no interior de São Paulo

TEXTO: CELSO RENATO A. DA SILVA

FOTOS: AGNALDO TARABORELLI

Este roteiro possui todos os ingredientes apreciados pelos viajantes e aventureiros, pois reúne elementos como: estradas sinuosas, serras, paisagens deslumbrantes, riachos, cachoeiras, cidades históricas, cultura e culinária. O destino é Cunha (SP) – mais precisamente, “Campos de Cunha”, que liga Cunha a Silveiras, região serrana com uma paisagem bucólica. E você ainda poderá andar perto das nuvens pela Serra da Bocaina!

O roteiro começa em Guaratinguetá (SP), a partir da Rodovia Presidente Dutra. Possui aproximadamente 130 km e conta, também, com um trecho em obras quase finalizado, de um corredor turístico pavimentado de bloquetes entre Campos de Cunha e o Bairro dos Macacos, em Silveiras, restando pequenos fragmentos de terra. O percurso pode ser feito por iniciantes (inclusive, acompanhados de garupas). Para os mais aventureiros, há diversas ramificações de terra do corredor principal que podem – e devem – ser exploradas.

CUNHA

Localizado no “Alto Paraíba”, o município de Cunha ocupa 1.410 km² de colinas e montanhas, aninhada entre as serras da Quebra-Cangalha, da Bocaina e do Mar. Limita-se com Ubatuba, São Luiz de Paraitinga, Lagoinha, Guaratinguetá, Lorena, Silveiras, Areias, São José de Barreiro, no estado de São Paulo, e Angra dos Reis e Paraty, no Rio de Janeiro.

Arrebata os sentidos dos turistas com uma natureza privilegiada – cachoeiras, paisagens deslumbrantes e trilhas que cortam a Mata Atlântica. São cenários ideais para passeios românticos, de aventura ou com a família. A cidade possui uma gastronomia elaborada, priorizando os produtos regionais, como a truta, o pinhão, o cordeiro e o shiitake, e é repleta de pousadas charmosas e com ótima infraestrutura. Para os apreciadores de arte, a qualidade e a diversidade dos ateliês de cerâmica espalhados pela cidade são um atrativo a mais. É um passeio imperdível!

Última parada dos tropeiros que percorriam a Estrada Real antes de chegarem ao porto de Paraty, Cunha é uma região de muitos encantos. Estação climática situada a 45 km de Paraty e à mesma distância de Guaratinguetá, é o município que conserva a maior reserva de Mata Atlântica do país. Ali se instalaram, a partir de meados da década de 1970, ceramistas de formação japonesa, que trouxeram ao Brasil uma técnica milenar de cerâmica artística, queimada à lenha em altíssima temperatura em fornos chamados “Noborigama”. Muito atuantes, eles levaram adiante seu trabalho e formaram jovens discípulos (que, mais tarde, abriram seus próprios ateliês).

ROTEIRO

Com início em Guaratinguetá, a partir da Rodovia Dutra, este roteiro é viável para quem vem de São Paulo, Rio de Janeiro e Sul de Minas. Pegue a saída 65 em direção a Guaratinguetá/SP-171/Cunha. Na rotatória, siga pela BR-459 sentido Cunha/Paraty. Chegando a Cunha, não perca a oportunidade de explorar a região, pois não faltam atrativos, bem como opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos e uma culinária diversificada.

Se você optou em prosseguir, cruze a cidade sentido a Estrada Municipal de Cunha para Campos de Cunha. Ao chegar, atravesse o vilarejo e siga a “Estrada Bairro dos Macacos”. Este trecho é quase todo em bloquetes e faz a ligação com o Bairro dos Macacos, em Silveiras. Fique atento ao cruzar uma pequena ponte de madeira sobre o Rio Paraitinga: à sua direita haverá uma porteira com passagem livre que dá acesso à “Cachoeira do Paraitinga”, um bom local para se refrescar e tirar algumas fotos.

De volta ao roteiro, prossiga pela estrada até o Bairro dos Macacos, final do trecho em bloquetes e começo do asfalto. Cruze o vilarejo e siga pela Estrada Municipal Macacos Silveiras, trecho de descida de serra com um visual deslumbrante. Uma dica: fique atento nos primeiros quilômetros de descida, pois, à sua direita, haverá uma placa indicando o “Sitio Pinhal” (pousada e restaurante). Uma família tipicamente caipira o receberá para uma refeição ou hospedagem, com muito carinho e atenção, além da culinária regional, que é maravilhosa.

Daqui para frente, o asfalto é bom – muito sinuoso neste trecho serrano, o que cria um dilema na cabeça do motociclista: a pilotagem é divertida e prazerosa, cobrando nossa atenção nas curvas intermináveis, mas a paisagem atraente é igualmente interessante. Porém, fique tranquilo: são aproximadamente 10 km que permitirão tanto a condução quanto a contemplação. Por fim, você chegará à Rodovia dos Tropeiros, em Silveiras. Se optar por seguir à direita, poderá explorar a pequena zona central do município. Já se a escolha for à esquerda, ao final da estrada você chegará a Rodovia Dutra, na altura do município de Cruzeiro (SP). Fim da aventura. Até a próxima!

DETALHES

• Este roteiro passa por uma região com muitos atrativos. Caso você tenha disponibilidade, tire alguns minutos para explorar, pois não vai se arrepender.

• Neste passeio, utilizei uma KTM 990 Adventure R.A Big Trail emprestada pela AventurMototurismo. A moto é excelente para viagens aventureiras e se mostrou muito eficiente.

• É uma rota tranquila, que pode ser feita por aventureiros iniciantes acompanhados por seus garupas.

• A navegação do roteiro é simples.Planeje com antecedência ou contrate um guia.

• A utilização de pneus mistos sempre facilita a pilotagem em trechos de terra. Mas este percurso pode ser feito com pneus originais. Evite rodar com piso molhado.

• Contei com a excelente companhia do aventureiro Agnaldo Taraborelli.

ONDE COMER E SE HOSPEDAR:

• Sitio Pinhal – Pousada Rural, restaurante com comida caipira no fogão à lenha.

Estrada dos Macacos, Km 18 – Silveiras/SP.

Tel.: (12) 3102-7179 / 9600-6836

SERVIÇOS:

Aventur: (11) 99296 4677 – Fale com Celsinho, que organiza trips on e off-road Brasil afora

Site: www.aventur.tur.br

APOIO

ASW Racing – Aventur Mototurismo

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também