Depoimento do repórter: 900cc – A primeira vez a gente nunca esquece

Os primeiros quilômetros rodados com uma moto de alta cilindrada proporcionaram sensações indescritíveis ao nosso repórter

Texto: Guilherme Derrico
Fotos: Divulgação/Laertes Torrens Filho

Triumph Street Cup 900cc

Pois é, aquela velha frase ‘a primeira vez a gente nunca esquece’ faz todo o sentido quando o assunto é motocicleta. Logo eu, que sempre fui um apaixonado por veículos de duas rodas e, ao mesmo tempo, um medroso assumido em relação às motos de alta cilindradas, e que havia pilotado apenas uma Honda Biz 100cc e uma Yamaha Fazer 150, perdi a ‘virgindade’ pilotando uma Triumph Street Cup 900cc.

Repórter Guilherme Derrico e a Triumph Street Cup 900cc

Foi uma experiência simplesmente incrível! Saí andando pelas ruas de São Paulo, mais precisamente do bairro do Morumbi até a região do Ipiranga. Lançada no Brasil no dia 14/03, posso dizer que foi um passeio praticamente exclusivo com essa belezinha. As primeiras impressões do novo ‘brinquedinho’ foram ótimas.

Ao sentar na motocicleta, já senti um conforto imediato e percebi que estava entrando num universo totalmente diferente do que estou acostumado. A embreagem estava um pouco dura, normal para um veículo que está com quilometragem baixíssima, praticamente zerado, e que apresenta uma força descomunal.

VEJA TAMBÉM: Triumph Bonneville T120: Retrô e moderninha.

Respeito ao mundo novo

Antes da partida, fiz uma pequena reflexão sobre tudo que já havia vivido em relação às duas rodas. Dei a partida e saí vagarosamente, com medo daquela verdadeira ‘monstra’ que, agora, estava sob meu comando. Fomos conversando um com o outro, eu e a moto, num mundinho todo particular. Aos poucos fui acostumando com a posição das marchas, dos freios, e da sensação de estar pilotando uma Triumph.

Quando peguei a primeira avenida com uma reta enorme, pensei: agora é a hora de acelerar. Porém, respeitei a minha inexperiência no assunto e segui guiando a cerca de 50, no máximo 60 km/h. No momento em que tomei confiança e acelerei, cheguei ao meu auge. Notei que estava a bordo de uma máquina e tanto. A velocidade é imediata, 100 km/h é atingido com facilidade, o que pede freios confiáveis, e posso dizer que assim que acionados eles pararam com firmeza, fazendo com que eu ficasse em paz.

Enfim, faltam palavras para descrever a sensação, entretanto, encontro uma que exibe com clareza o sentimento dessa experiência única: FELICIDADE! Que venham os próximos passeios!

VEJA TAMBÉM: Trips & Tips – Dicas de Pilotagem: motos de baixa cilindrada.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA