Brasileiro de Enduro FIM: Português é o piloto a ser batido em SC

Terceira etapa promete grandes disputas neste fim de semana (27 e 28), em Biguaçu; Luís Oliveira está invicto na liderança da E1 e da Enduro GP

Texto: Redação
Fotos: Fred Mancini/Mundo Press

Campeonato Brasileiro de Enduro FIM

A terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Enduro FIM para motocicletas promete grandes disputas nas trilhas de Biguaçu, em Santa Catarina. O evento vale como rodada dupla e reúne as feras da modalidade neste fim de semana (27 e 28), no Centro de Treinamento Yamaha Geração. O piloto a ser batido é o português Luís Oliveira, invicto na liderança da categoria E1 e da Enduro GP, que aponta os mais rápidos da competição.

Com percurso de 43 quilômetros, a prova em solo catarinense traz terreno liso e três voltas no circuito por dia. O trajeto apresenta um Cross Teste de 5 km e dois Enduro Testes, de 2,5 km e de 3 km. “As expectativas são muito boas. Espero andar bem, sem cometer erros, e conseguir dar sequência ao trabalho”, disse o europeu da equipe Honda Racing, campeão brasileiro de 2014. “O objetivo maior é o título. Venci as etapas iniciais, mas isso não significa nada, porque o campeonato é longo e os pilotos estão em um bom nível”.

Brasileiro de Enduro

Pilotos confiantes

O capixaba Bruno Crivilin (Orange BH KTM) venceu a etapa de Biguaçu na temporada passada. “Estou bastante animado, vou acelerar com o objetivo de repetir o feito”, garantiu o jovem talento, que corre pela E2 e está em terceiro lugar na tabela da Enduro GP. “Desde quando comecei a disputar o campeonato, em 2014, o nível dos pilotos e das provas tem evoluído nitidamente. A temporada começou com grandes disputas e espero que desta vez um brasileiro fique na frente”, acrescentou.

O grid terá a presença de outro estrangeiro, o norte-americano Ian Blythe (Orange BH KTM), atual bicampeão brasileiro (geral e classe E2). Após machucar o ombro e ficar fora da etapa anterior, ele está de volta e acelera pela E1. Líder da E3, o gaúcho Gustavo Pellin (Sacramento Racing KTM) é outro destaque nacional. “A região já tem solo escorregadio e há possibilidade de chuva, ou seja, estou preparado para andar no molhado. Além das grandes equipes e pilotos profissionais, o Brasileiro tem atraído cada vez mais competidores iniciantes, que têm uma grande importância para o esporte”, concluiu.

VEJA TAMBÉM: Do litoral ao sertão, os desafios do RN 1500.

DEIXE UMA RESPOSTA