Faltando menos de um mês para a maior prova de Hard Enduro do país, as inscrições seguem abertas para a 5ª edição da prova, que acontece em Socorro (SP) entre 3 e 5 de dezembro.

Na reta final para garantir um lugar na competição, algumas pessoas podem ter dúvidas quanto a escolha da categoria em que se encaixa seu nível de habilidade e pilotagem. Com a ajuda de Benê Coser e Rodrigo Zuccon, organizadores da prova, listamos as principais características de cada categoria para auxiliar nessa decisão.

Antes, conheça um pouco mais da história do surgimento da modalidade, que descende do enduro tradicional e suas provas de longa duração e, à medida que os pilotos foram ficando entediados com o formato da prova, as coisas foram repaginadas. Dentre as atribuições de data da primeira prova de hard enduro já disputada está o Roof of Africa, que afirma ter sido o berço da modalidade ainda em 1970, em Lesotho, África, coroando o primeiro vencedor da história nas motos, Willie Grobler. Além disso, em meados de 1992, durante a Gilles Lalay Classic, na França, considerada uma das corridas mais difíceis da época, surgiu o Hard Enduro moderno, de onde descendem as provas atuais em termos de percurso e dificuldades.

Os circuitos podem variar conforme o país, mas o grau de dificuldade buscado ao redor do mundo é sempre o mesmo, quanto pior, melhor, quanto mais difícil, mais os pilotos se sentem desafiados. Dentre as provas mais conhecidas, estão: a Hell’s Gate, na Itália, com suas montanhas geladas, a Red Bull Romaniacs, realizada na cadeia de montanhas dos Cárpatos, na Romênia e a Tough One, no Reino Unido, reconhecida por usar carros velhos e toras no percurso. Aproveitando-se da montanha de onde são extraídos minérios de ferro na Áustria, a prova conhecida como Erzberg, que já celebrava 20 anos de disputas ainda em 2014.

No Brasil, a primeira prova que se tem notícia aconteceu em Arcos (MG), conhecida como Bodock Hard, a disputa reuniu 19 pilotos, os quais somente 6 cruzaram a linha de chegada. Com grande repercussão dentro e fora do país, em 2016 foi realizado em Minas Gerais o Red Bull Minas Riders. Em 2017, inspirado pela participação como médico na organização do Minas Riders, Rodrigo Zuccon se une ao amigo Benê Coser para criar a primeira edição do Hard in Help, atraindo 60 pilotos para a região de Socorro (SP).

No Hard in Help, o circuito é composto por obstáculos variados que podem ser do tipo natural, com trechos de terra, lama, poeira, pedras, raízes, aclives e declives ou àqueles criados pela organização com pneus, troncos, carros e caçambas. As largadas serão no estilo “mão na rabeta” e Le Mans e, seguindo a divisão das categorias, os pilotos vão passar por uma linha principal composta por quatro trajetos diferentes, de acordo com o grau de dificuldade de cada categoria. O percurso mais desafiador será voltado para os pilotos da categoria Gold, enquanto as trilhas ficam um pouco menos difíceis gradativamente até o percurso dos pilotos da categoria Iron.

“A melhor forma de saber qual categoria o piloto deve se inscrever é fazendo uma autoanálise de seu desempenho, o tipo de equipamento a utilizar, a moto em si e o entrosamento do piloto com a máquina, além do domínio técnico que possui.”, explica Benê Coser. “A forma física e a resistência também são fatores cruciais na modalidade e na definição da melhor categoria a se inscrever. É preciso respeitar os limites do corpo para conseguir o melhor aproveitamento dentro da competição.”, complementa Rodrigo Zuccon.

Categoria Iron, voltada para o (a) trilheiro (a) de fim de semana, sem compromisso com alto desempenho, pilotos que buscam começar na modalidade, se divertir e evoluir na pilotagem através dos desafios encontrados na prova. Categoria Bronze, destinada aos (as) trilheiros (as) acostumados com trilhas mais travadas e com bom preparo físico, que vão suportar o peso da moto ao longo do trajeto enquanto tentam vencer o relógio e suas marcas pessoais. Já na categoria Silver é essencial ter experiência prévia com provas de hard enduro e domínio de manobras da modalidade trial, além do preparo físico em dia e um bom preparo mental, para lidar com as dificuldades e ansiedades do percurso. A mais desafiadora de todas, a categoria Gold é indicada para pilotos experientes, com bom domínio das manobras de trial e excelente preparo físico, a disputa aqui acontece consigo mesmo, com o trajeto e contra os adversários, os detalhes na pilotagem fazem a diferença e cada segundo perdido conta na definição do pódio.

Na lista de patrocinadores, parceiros  e apoiadores já confirmados, marcas que são referência na cidade e em toda região, como: Espaço Bene Off Road, BMS Racing, loja Ride Again, Quebracava Motocross, Explorei Aventura / Minicross, LL Glasses e Drogaria Total. Entre os parceiros estratégicos para a edição 2021 estão: Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM), Prefeitura Municipal de Socorro, Secretaria Municipal de Turismo (SETUR) e Socorro Destino Duas Rodas. Os pilotos vão ter um motivador a mais este ano, uma vez que os prêmios prometem ser surpreendentes, valorizando ainda mais os competidores, além disso, todos serão premiados e vão levar para sempre essa prova na lembrança.

Desde 2017 promove a modalidade e realiza anualmente provas de hard enduro no cenário nacional. Tem em Socorro – SP a escolha perfeita, graças à topografia que favorece a prática do esporte. Os organizadores inovam a cada edição, para manter o alto nível que os pilotos apreciam neste tipo de prova, tornando o evento único e atraente nesta que é uma das etapas mais cultuadas de Hard Enduro do estado de São Paulo. Em 2020 o evento registrou mais de 150 pilotos e público recorde, trazendo ainda, grande retorno e movimentação financeira a cidade.

5º Hard In Help – Socorro – SP 

De 3 a 5 de dezembro 2021

As inscrições podem ser realizadas até o dia 31 de novembro no site oficial do evento:www.hardinhelp.com.br

Informações adicionais: (19) 9 7110-8761 com Benê Coser

Descubra Socorro: www.socorro.tur.br 

Moto Adventure, a Revista dos Melhores Motociclistas

Let’s Go Together! 

Deixe uma resposta