Pilotando a Honda SH 150i pelo Rio de Janeiro

Destino turístico número um do Brasil, o Rio de Janeiro oferece muito mais do que belas praias. Para descobrir um pouco desse lado menos famoso, aceleramos a Honda SH 150i pela Cidade Maravilhosa. Venha conosco!

Texto: Marcos Barros
Fotos: Caio Mattos

Weekend

A cidade do Rio de Janeiro é a segunda maior metrópole do Brasil e destino turístico número um do país. Internacionalmente conhecida por diversos ícones culturais e paisagísticos, como o Pão de Açúcar, a estátua do Cristo Redentor (uma das sete maravilhas do mundo moderno) e as praias e bairros cheios de charme e histórias. Mais do que um cartão postal, o Rio de Janeiro é praticamente um estado de espírito e nada melhor do que descobrir um pouco mais dessa cidade cruzando suas ruas e avenidas pilotando a nova Honda SH 150i, scooter que segue a tendência mundial em oferecer o máximo em eficiência, praticidade e agilidade, com baixo custo em deslocamentos urbanos.

Rio de Janeiro

PASSEIO PELA CIDADE MARAVILHOSA

Uma boa dica para iniciar um passeio pela Cidade Maravilhosa é o Aterro do Flamengo. Dali você terá uma bela vista da baía de Guanabara e a paisagem será dominada pela bela visão do Cristo Redentor. Acelere a beira-mar e siga rumo ao Parque Lage, localizado entre as encostas do Morro do Corcovado e a Rua Jardim Botânico, um dos mais agradáveis parques da Zona Sul do Rio, que conta com espaço para piqueniques e atividades ao ar livre. Respire fundo e repare que o clima por lá parece estar mais ameno. E isso é uma realidade, pois quase ao lado desse parque surge o Jardim Botânico.

Estacione sua moto no Jockey Clube e vá caminhar pelo Botânico, que abre às 8h00 e cobra ingresso de R$ 15,00. De cara note as imensas palmeiras imperiais, plantadas durante o período colonial pelo próprio Rei Dom João VI, quando de sua morada no Brasil. Caminhe então lentamente entre as diversas alamedas. Curta os macacos que descem das árvores e por fim pare para um café no Empórium Jardim, um misto de padaria, bistrô e delicatessen premiado diversas vezes por suas delícias. Curta os sabores e a arquitetura do local. Depois retorne para o Jockey Clube, mas antes de dar a partida na sua moto vá ao padock e confira se está ocorrendo algum derby. A velocidade dos cavalos e as disputas são eletrizantes e divertidas.

VEJA TAMBÉM: Caminhos da história – Região entre São Paulo e Rio de Janeiro.

DE TIRAR O FÔLEGO

Acelere então rumo à Lagoa Rodrigo de Freitas, que possui 9,5 km de contorno e está ligada ao mar pelo canal do Jardim de Alá, que separa o Leblon de Ipanema. Às margens da lagoa, existe um pequeno centro gastronômico com quiosques que oferecem de comida italiana à japonesa, além de música ao vivo à noite. Anexo está o Parque da Catacumba, que expõe ao ar livre 30 esculturas de artistas brasileiros e estrangeiros. Passando a Lagoa Rodrigo de Freitas, siga rumo à Estrada da Castorina e da Vista Chinesa. Nesse nosso passeio pelo Rio de Janeiro, estávamos pilotando a Honda SH 150i e o scooter mostrava-se muito valente e confortável até então. No entanto, um dos lugares mais bacanas para se visitar no Rio de Janeiro, sobre duas rodas, é a Vista Chinesa, no alto do Parque Nacional da Tijuca, de onde se tem panorâmica incrível de grande parte da cidade.

Rio de Janeiro

Nessa hora foi possível testar o propulsor da máquina, um monocilíndrico OHC (Over Head Camshaft) de 149,3cm³, 4 tempos, com injeção eletrônica PGM-FI e arrefecimento a líquido, com potência máxima de 14,7 cv a 7.750 rpm e o torque máximo de 1,40 kgf.m a 6.250 . E não teve erro, a SH 150i encarou com facilidade a subida e as curvas da bela estrada. Assim, em pouco tempo chegamos ao belo pavilhão em estilo oriental, construído entre 1902 e 1906 como forma de homenagear os chineses, que trouxeram o cultivo do chá para o Brasil no início do século XIX.

A construção desse pavilhão (pagode) é feita de bambu e cimento e fica em uma clareira a 380 metros acima do nível do mar. Mais uma vez respire fundo e curta a visão privilegiada do Cristo Redentor, baía de Guanabara, Pão de Açúcar, Lagoa Rodrigo de Freitas, praias de Ipanema e Leblon, além do Morro Dois Irmãos, ícones cariocas.

Depois de muitas fotos, volte e vá até a Mesa do Imperador, feita como ponto de parada e piquenique da Família Real em seus dias de império. Curta então os por macacos-prego que estão sempre por lá e depois acelere rumo ao Alto da Boa Vista, adentre ao Parque da Floresta da Tijuca e vá conhecer a Cascatinha do Taunay e o Museu do Açude, que era uma das residências do Raymundo Ottoni de Castro Maia, responsável pela revitalização da Floresta da Tijuca. Ele Ficou conhecido como “One Dollar Man”, por ter cobrado esse valor para fazer a revitalização. O museu relaciona o patrimônio cultural ao natural com obras em ambiente muito agradável.

BAIRRO BOÊMIO

Arcos da Lapa

Depois volte ao nível do mar, melhor, rumo a Santa Teresa. Uma bela descida o levará por parte deste caminho e em Santa Tereza fique atento, pois suas ruas são calçadas em paralelepípedos. Acelere vagarosamente e vá curtindo o antigo casario do bairro, os trilhos do bonde e entre no clima de volta ao passado. Assim, em pouco tempo você estará praticamente ao lado dos famosos Arcos da Lapa (aqueduto do século XVIII) e, em seguida, poucos metros à frente, a Escadaria de Selarón, obra do artista chileno Jorge Selarón que mudou para sempre o visual da Rua Manuel Carneiro. Sim, você estará na Lapa, símbolo da boêmia carioca. Ali sucedem-se bares e restaurantes instalados em antigos prédios históricos. Junte a isso boa música, deliciosos petiscos típicos. Estacione sua moto e curta, sem álcool, a noite carioca que estará apenas começando ao fim de um belo dia de passeio por algumas belezas da Cidade Maravilhosa.

VEJA TAMBÉM: Um olhar diferente do Rio de Janeiro: A bordo de um Scooter pilotamos por lugares inusitados.

DEIXE UMA RESPOSTA