Viagem de moto para Petrópolis (RJ)

Em meio à serra fluminense, Petrópolis tem clima ameno, excelente gastronomia e guarda memórias vivas da época do Império

Texto e Fotos: Trinity Ronzella

Petrópolis (RJ) – Cidade Imperial

Entre 1500 e 1700, exceto por algumas expedições exploratórias, a Serra da Estrela, onde se encontra Petrópolis (RJ), era praticamente desconhecida. Isso se devia ao fato de que, no caminho, havia um enorme paredão de mais de 1.000 metros de altura que tinha que ser vencido. E, para completar, havia os índios Coroados, que habitavam a parte de cima da serra.

No entanto, quando os bandeirantes paulistas descobriram ouro nas Minas Gerais, abriram em 1704 o “Caminho Novo”, para facilitar o acesso até essas vilas mineradoras. O “Caminho Velho” era longo, cheio de trilhas e picadas, o que dificultava e atrasava muito o percurso. Em 1857, Petrópolis virou município, contra a vontade de D. Pedro II, que não queria essa mudança, pois, tornando-se município, Petrópolis teria uma administração própria, o que iria interferir na relação do imperador com a cidade.

Petrópolis é um lugar incrível que guarda as heranças do período imperial brasileiro. E isso tudo a apenas 70 quilômetros do Rio de Janeiro, bem no meio da região serrana fluminense. Por todo o centro de Petrópolis as construções remetem ao século 19 e convidam a caminhadas ou passeios de carruagem que descortinam palacetes e casarões, além da residência de verão da família imperial, transformada no magnífico Museu Imperial.

Petrópolis (RJ)

Também fazem parte do cenário a Catedral de São Pedro Alcântara, o Palácio de Cristal e a Casa de Santos Dumont, aberta à visitação. Petrópolis é famosa também no quesito compras. As ruas Koeler, Ipiranga e D. Pedro I são repletas de lojas de chocolates e biscoitos caseiros, enquanto a rua Teresa tem o comércio de roupas como destaque.

Pertinho dali, a cerca de 20 km, no distrito de Itaipava, surgem novas atrações já que o lugar é o segundo polo gastronômico do Rio de Janeiro e ali estão restaurantes estrelados, pousadas e lojinhas de artesanato sofisticadas. A natureza privilegiada espalha-se pela região, onde cavalgadas, banhos de cachoeira e caminhada em meio a trilhas são os melhores programas.

Petrópolis (RJ)

PELA CIDADE

Encravada nas montanhas, a cidade mescla asfalto com paralelepípedos, tem ruas estreitas e sinuosas, é bem arborizada e tem construções incríveis. Por onde se passa a história está diante dos olhos. Impossível não imaginar os tempos em que carruagens circulavam pelo centro da cidade.

O centro histórico é onde se concentra a maioria dos atrativos e, com um pouco de disposição, dá para se conhecer muita coisa. Dentre estes lugares recomendamos uma visita à Casa de Santos Dumont. Lá aproveite e assista a um vídeo que é exibido após a visitação. Outro lugar legal para conhecer é a Casa da Princesa Isabel, que pode ser vista apenas da rua. A Catedral de São Pedro de Alcântara, em estilo neogótico francês e cujo interior guarda os restos mortais da Família Imperial, tem uma bela decoração. Como curiosidade: suas portas principais pesam 2.400 quilos cada uma!

Interessante também é o passeio no Museu Casa do Colono, com características de habitação da antiga Simern (cidade alemã que inspirou a denominação do bairro da Siméria, em Petrópolis). Trata-se de uma casa de pau a pique e teto de zinco. Aproveite também para conhecer o Museu de Cera, com personagens históricos em tamanho natural.

Ainda rodando pelo centro da cidade vá até a Praça 14 Bis e lá veja de perto uma réplica do mais famoso invento de Santos Dumont. Depois vá até o Relógio de Flores, inaugurado em 1972 para comemoração de 150 anos da Independência do Brasil. Fica em frente à Universidade Católica de Petrópolis. A seguir conheça o Trono de Fátima, cuja cúpula se apoia em sete colunas que representam os dons do Espírito Santo. O final de tarde é incrível desse local.

Petrópolis (RJ)

Por fim reserve tempo e vá até o Museu Imperial, um passeio imperdível! Ali o uso de pantufas será obrigatório e elas serão fornecidas. À noite acontece um espetáculo de luzes. Não perca. Quer mais? Visite o Palácio de Cristal, encomendado pelo Conde D’Eu a uma fundição francesa, foi feito com a intenção de abrigar exposições hortícolas e de pássaros. Foi inaugurado em 1884.

Deixando a região central para trás vá conhecer o Castelo de Itaipava, um hotel com poucas vagas para estadia. Sua vista, a partir da estrada, já impressiona. O acesso é bem restrito mas a vista externa já vale a pena. Conheça também a Cervejaria Bohemia, que oferece um tour para visitação das instalações e o maquinário de produção de cerveja.

NA ESTRADA

Para quem parte da cidade do Rio de Janeiro o caminho é bem curto, 70 km, porém prazeroso, com uma bela e linda subida de serra. Basta seguir pela Linha Vermelha até a saída para a rodovia BR-040. Já para quem parte de São Paulo a dica é seguir  pela rodovia Carvalho Pinto até seu final e depois rodovia Presidente Dutra até a entrada de Cruzeiro (SP). A partir deste ponto suba a serra para entrar em Minas Gerais e passe pelas cidades mineiras de Itanhandu, Pouso Alto e Caxambu (serão rodados até esta localidade 320 km). De Caxambu siga para Juiz de Fora e, em seguida, já no estado do Rio de Janeiro, vá em direção a Três Rios (serão mais 250 km). Em seguida surgirá Areal e Petrópolis (depois de rodar 70 km). Serão rodados aproximadamente 640 km através de belas estradas e paisagens. Reserve o dia todo para essa viagem.

Mapa da viagem

DICAS

Ao rodar pelo centro de Petrópolis siga estas dicas:

– Uma opção para estacionamento de motos é seguir primeiramente para a Casa de Santos Dumont. Lá existem algumas vagas em frente ao Relógio de Flores. Por sua proximidade do centro, o lugar é uma boa opção deixar as motos estacionadas por lá e conhecer os atrativos centrais a pé. São vários nas proximidades.

Um detalhe importante é que as motos devem ser estacionadas de frente, deixando a placa visível para a rua e não para calçada.

– Circule pelo centro histórico à noite e veja os pontos turísticos iluminados. Vale a pena!

*Matéria publicada na edição #189 da revista Moto Adventure.

VEJA TAMBÉM: Caminhos da história – Região entre São Paulo e Rio de Janeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA