Viagem de moto pela Espanha e França – Parte 2

frança-7
Viagem de moto pela Espanha e França

De moto, percorremos os caminhos da Espanha e da França em um roteiro original e fascinante, que deu um “olé” no lugar-comum

Texto: Vera Miranda Barros
Fotos: byBarros

Confira a Parte 1 do roteiro.

SAN SEBASTIAN

Nossa entrada em San Sebastian se deu pelo monte Igueldo e por uma inesquecível e delgada estrada, que oferecia um panorama incrível. A vista da Praia da Concha (a mais popular da região) é de tirar o fôlego.

Famoso por seus festivais de cinema e pela gastronomia, é um dos destinos preferidos dos turistas. Desde 1953, estes festivais são realizados no mês de setembro. Já passaram por ali Elizabeth Taylor, Al Pacino e Woody Allen, entre outros mitos do cinema. Tivemos o privilégio de passar a noite no Hotel Astoria 7, que já abrigou várias celebridades.

Não posso deixar de mencionar, também, a cultura gastronômica local: você pode varar a noite conhecendo os bares da região – que são muitos! –, degustando uma boa cerveja ou vinho e saboreando os “pinchos” (variedades de petiscos que incluem o camarão, a salsicha, pequenos lanches etc.), espalhados pelos balcões (você se serve e paga por unidade). Indico o Bar Zeruko – sem dúvida, um dos melhores!

BORDEAUX

Nossa passagem pela fronteira entre Espanha e França foi quase imperceptível (não fosse pela visão de uma placa com os dizeres: “Bem Vindos”).

Fizemos uma parada estratégica em Biarritz (França). Situada na Costa Atlântica, é uma antiga vila que, aos poucos, se transformou em um maravilhoso “resort” a céu aberto. Ali, em 1855, Napoleão III construiu, para sua esposa Eugênia de Montigo, uma residência de férias voltada para o mar, um reduto relativamente calmo à época da Revolução Francesa. A “residência” se transformou , em 1893, no “Hotel do Palácio”, nosso ponto de encontro para um delicioso cafezinho, antes de seguirmos viagem.

Fomos, então, visitar a “La Gran Duna de Pilat”, formação de área natural situada em Landes de Gascogne. De seu cume, o panorama é excepcional – de um lado, temos o oceano; do outro, a floresta do litoral.

Finalmente, chegamos a Bordeaux, para uma parada de dois dias. A cidade é muito charmosa e tem diversas atrações. 350 delas são classificadas como monumentos históricos (Catedral de Saint Andrés, Gran Teatro de Burdeos, Monumentos a Los Girondinos, La Place Royale, Plaza Del Parlamento, Basílica de Saint Michel, Porte Cailhau e El Puente de Piedra, entre outras). O ideal é conhecê-las a pé, para desfrutar de cada pedacinho da região (que produz alguns dos vinhos mais famosos da França).

DORDOGNE

Ainda seguindo por lindas estradas secundárias, o trajeto até nossa próxima parada, Saint Emilion, era cercado por vinhedos. Saint Emilion não é “só mais um” charmoso vilarejo da França: é, também, uma referência em Bourdeaux. A cidade é rodeada por boutiques de vinho e faz qualquer apreciador gastar horas degustando as variedades ali encontradas. Prosseguimos para Dordogne, contemplando, no caminho, uma paisagem mesclada por vinhedos, girassóis e penhascos, até chegarmos ao precioso Chateau de Vigiers Golf Club, onde passamos a noite.

Este “chateau” é um dos melhores lugares em que me hospedei. E os diferenciais são muitos: da atenção da recepcionista à deferência do proprietário, que fez questão de conhecer todo o grupo.

Nossa chegada foi marcada por um brinde de boas vindas, com vinho, champanhe em baldes de gelo e taças em cada quarto. Durante um “happy hour” com o grupo, o gerente contou a história do hotel até os dias atuais. Fechando a noite, foi servido um delicioso jantar, acompanhado por uma degustação de vinho (fabricado no próprio hotel).

BIELSA

Iniciamos nossa rota pela autopista, até pararmos em Lourdes, onde visitamos o Santuário que leva o nome da cidade. O lugar ficou famoso em 1858, quando Nossa Senhora teria aparecido, em uma gruta, para Bernadette Soubirous. Hoje, junto à Gruta das Revelações, temos o Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, que recebe aproximadamente 6 milhões de visitantes por ano.

Depois, entramos nos Pirineus, cruzando novamente para a Espanha. Nesse trecho, apreciamos uma das paisagens mais lindas da viagem (não perde em nada para a dos Alpes Suíços). Em poucas palavras, é uma estrada maravilhosa e com ótimo pavimento, em meio a uma montanha repleta de rochas e árvores – de tempos em tempos, aparecem cachoeiras que brotam não sei de onde. Em diversos trechos, passamos por pequenos e encantadores vilarejos (que, no inverno, fazem as vezes de estações de esqui). Em outros momentos, atravessamos túneis encravados nas enormes rochas. Se não fosse a chuva, que nos surpreendeu no último trecho até a chegada ao Parador de Bielsa (fincado entre as montanhas), nosso final de tarde teria sido ainda mais deslumbrante.

ANDORRA

Com 468 km, o Principado de Andorra fica escondido na Cordilheira dos Pirineus, entre a França e a Espanha. É um país independente e próspero, principalmente, graças ao Turismo. É bastante procurado, não só por ser uma localidade chique, mas pelo status de paraíso fiscal – os produtos não são taxados e há lojas com as melhores grifes. Porém, cuidado para não exagerar: com certeza, você será revistado na saída, ao passar pela fronteira.

BARCELONA

Chegamos a Barcelona em pleno feriado de 11/09, quando se comemora o Dia da Catalunha – região ao nordeste da Espanha –, em meio a uma manifestação que reuniu 1,5 milhão de pessoas. Todas com vestimentas e bandeiras amarelas e vermelhas (referenciando a Bandeira da Catalunha) e reivindicando a independência daquela região. Uma manifestação invejável, diga-se de passagem, por seu pacifismo e seu grau de organização.

Barcelona é encantadora e cheia de atrações. Já que só tínhamos um dia, compramos tickets para o ônibus de City Tour, para termos uma vista geral do lugar. Mesmo assim, não conseguimos: até uma semana seria pouco para se desfrutar de todas as atrações oferecidas por este paraíso. Um dos chamarizes é sua arquitetura, diversificada e fascinante. Eis alguns destaques turísticos imperdíveis de Barcelona:

Sagrada Família (projeto do famoso arquiteto catalão Antonio Gaudí).

Parques: Guell (projetado por Gaudí); Montjuic (o mais extenso de Barcelona); La Ciutadella (grudado à parte antiga de Barcelona).

Bairros interessantes: El Raval, Barri, El Born (situados no distrito de Ciutat Vella); e o distrito Eixample, principalmente, o Passeig de Gràcia (elegante avenida com lojas de grifes).

Museus: Fundacío Joan Miró, Museu de Picasso, Museu Nacional d’Arte Catalunha e Caixa Forum.

Comércio: Mercado De La Boqueria, onde há uma incrível variedade de comidas e especiarias; e o Mercat Del Born, no subsolo, com restos da cidade medieval.

Esportes: Camp Nou (estádio do FC Barcelona); Anella Olimpica (na montanha de Montjuic); Estadi Olímpic Lluís Companys; Palau Sant Jordi; Torre de Comunicaciones.

Edifícios: Casa Batló, Casa Milá, Catedral de Barcelona, La Iglesia La Mercé, Gran Teatro de Liceu, El Castillo de Montjuic, Plaza de Toros Monumental, Monumento a Cristóbal Colón, Catedral Santa Maria Del Mar e Hospital Sant Pau Del Camp.

Gostaria de agradecer e parabenizar a Melbourne Tour pelo convite e pelo privilégio de ter feito parte do primeiro grupo deste roteiro imperdível (e traçado na ponta do lápis, com uma precisão incrível). Sim – existem muitas programações turísticas pré-estabelecidas para essas duas cidades. Mas uma aventura assim, concebida de modo a driblar tão elegantemente o lugar-comum, só poderia ter sido elaborada por uma empresa com 25 anos de experiência em seu ramo (e que conhece bem as necessidades e os anseios dos motociclistas). “Olé!”

Melbourne Tour: www.mbtour.com

*Matéria publicada na edição #167 da revista Moto Adventure.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA