Casal viaja de moto para os EUA em comemoração de 20 anos de casados – Parte 1

eua-2
EUA

Para comemorar 20 anos de união, casal de Recife (PE) percorreu 8.000 quilômetros de estradas incríveis rodeadas por paisagens de tirar o fôlego nos Estados Unidos

Texto e fotos: Lúcio Peccolo

Depois de mais de 23 mil quilômetros percorridos em territórios norte-americano e canadense, registrados nas edições 110, 123 e 144 de Moto Adventure, o motociclista Lúcio Peccolo e sua esposa Fabíola decidiram comemorar seu aniversário de 20 anos de casados realizando outra viagem de moto pelos Estados Unidos. Veja como foi essa comemoração especial na narrativa do próprio Lúcio.

A VIAGEM

“Viajar a dois sempre nos foi muito prazeroso, no entanto, desta vez fomos para a estrada acompanhados pelo casal Márcia e Vitor. Providenciamos tudo e reservamos nossas motocicletas na Mile High, concessionária Harley-Davidson de Denver, no estado norte-americano do Colorado, para o final de junho deste ano.

Chegado o grande dia, iniciamos nossa jornada saindo de Denver rumo ao oeste, passando pela Clear Creek Canyon Road, uma linda estrada serpenteada pelo rio do mesmo nome, através de um canyon com várias curvas e túneis. Atravessamos a Arapaho National Forest, nos seus 3.200 metros, subindo exatos 1.600 metros desde a saída de Denver.

Na sequência, passamos pelo Berthoud Pass, almoçamos na simpática Winter Park, no Deno’s Bistrô, e depois seguimos em direção ao Fall River Pass, com seus mais de 3.700 metros de altitude. Quase no cume desta montanha, a temperatura baixou bastante. Paramos então para tirar fotos da paisagem e ao lado de um paredão de neve compactada, com mais de 2 metros de altura. Ali nos deparamos com a primeira situação inusitada dessa viagem: uma espessa névoa começou a cobrir a estrada em questão de minutos. Ficamos com visibilidade abaixo de 15 metros, sendo que ainda teríamos um trecho de descida sem acostamento e guard-rail. Lamentamos um pouco não ter parado no Alpine Visitor Center, onde teríamos uma vista privilegiada de todo o vale, mas com toda aquela cerração resolvemos seguir adiante até Estes Park, onde passamos a noite.

BELEZA PURA

Saindo de Estes Park, seguimos em direção ao leste pela Big Thompson Canyon Road, através de um canyon e ladeada pelo Big Thompson River. Chegamos até a rodovia I-25, sentido norte, até a cidade de Cheyenne, tomando sentido leste e depois norte novamente, já no estado de Nebraska, pela rodovia 71. Neste mesmo dia visitamos uma formação rochosa singular em Scotts Bluff, de onde se tem uma visão privilegiada da cidade e de todo o vale.  Aquela região é composta de várias fazendas, nas quais se criam principalmente bovinos e suínos e são grandes produtoras de esterco. Não preciso dizer que o aroma não era dos melhores.

Uma massa de ar frio trazia carregadas nuvens de chuva do oeste e, já que o trecho de estrada final daquele dia era em planície, e a estrada estava com pouquíssimo movimento, resolvemos dar uma boa acelerada, para tentar evitar a chuva. E deu certo, pois chegamos a Chadron no final da tarde, antes da chuva.

O dia seguinte foi especial. Saímos de Chadron bem cedo, em direção ao norte, passando pelo Custer State Park, já em Dakota do Sul, pela 87 local, até chegarmos na US-16.  Este trecho é composto de lindas paisagens, com formações rochosas únicas, chamadas de Black Hills, muitas curvas, pinheiros e animais selvagens pelo caminho, dentre eles bisões e alces, que por vezes dividem o asfalto com os viajantes.

A estrada Peter Norbeck Scenic Byway foi realmente um dois pontos altos dessa viagem, pois, além de sinuosa e com pontes em caracol, também é dotada de alguns túneis, sendo que a saída do último túnel culmina com a visão do Monte Rushmore, de onde são tiradas fotos que servem de cartão postal para a região. É no Monte Rushmore onde foram esculpidas imagens de quatro presidentes norte- americanos: George Washington, Thomas Jefferson, Franklin Roosevelt e Abraham Lincoln.

Seguindo viagem passamos por Hill City, pitoresca cidade onde foi restaurada uma antiga estação ferroviária e suas locomotivas. Hill City também é muito frequentada por motociclistas. Aproveitamos o horário e almoçamos no Bumpin Buffalo Bar & Grill, onde comemos enormes sanduíches caseiros.

Deadwood foi nossa última parada naquele dia e lá passamos duas noites e aproveitamos então para visitar um cemitério onde estão sepultadas figuras famosas do tempo do faroeste, como Calamity Jane e Wild Bill Hickock. Também em Deadwood assistimos a uma encenação ao ar livre na Main Street, que remonta um tiroteio entre bandidos e Wild Bill. Visitamos também a cidade de Sturgis, onde é celebrado um dos maiores e mais tradicionais encontros de motociclistas do mundo, sempre no mês de agosto. Almoçamos no agradável Loud American e depois rumamos até Rapid City, retornando a Deadwood no meio da tarde. À noite, jantamos no Gold Dust, que faz parte de um cassino.

MAIS ESTRADA

Depois de dois dias em Deadwood voltamos à estrada rumo ao oeste, passamos pela Spearfish Canyon Scenic Byway até chegar a Spearfish. Essa estrada é linda e especial, como descrita por um viajante com quem conversamos. Ele nos contou que, há vários anos, depois de perder praticamente tudo, montou em sua motocicleta e não parou mais, rodando por todo o país, sem destino certo e sem ter para quem voltar, vivendo apenas de “bicos” e doações. Em Spearfish, entramos na Interestadual  90, sentido oeste, até a cidade de Buffalo. No meio do caminho visitamos a formação rochosa singular chamada de Devil´s Tower, já no estado do Wyoming.

De Buffalo, saímos em direção oeste pela US-16, passando pelo Powder River Pass, depois descendo até Worland pelo Ten Sleep Canyon. Na sequência passamos por Greybull, subindo o Big Horn (cadeia de montanhas), a leste pela rodovia US-14. As montanhas do Big Horn são consideradas sagradas por algumas nações indígenas.

Já a rodovia 14 é ótima para se andar de moto, pois tem curvas e bastante inclinação. Sua paisagem é magnífica e conferiu a ela um dos pontos altos dessa nossa jornada. Quando chegamos ao topo, resolvemos descer a US-14 pelo leste, até perto de Sheridan, e depois voltando pelo mesmo caminho, subindo sentido oeste e descendo o Big Horn novamente. O motivo dessa escolha foi que eu sabia que o trajeto era espetacular, pois descemos dos 2.600 metros até os 1.200 em uma estrada muito sinuosa e de grande inclinação. Cody foi nosso destino naquele dia.

O fundador dessa cidade foi William Frederick Cody, conhecido também por Buffalo Bill. Lá ficamos hospedados no Irma Hotel, inaugurado em 1902, também construído por Buffalo Bill, que deu ao estabelecimento o mesmo nome de sua filha, Irma Cody.

Na manhã seguinte, logo na saída, a oeste de Cody, passamos pelo Shoshone River, onde a água escavou, durante milhares de anos, um canyon profundo, chegando até a represa de Buffalo Bill. Um cenário deslumbrante, entre montanhas e o lago formado pela represa contracenando com o nascer do sol refletido nas águas. Depois continuamos rumo ao norte, pela estadual 296 até chegarmos à US-212 (estrada cênica chamada de  Beartooth),  onde tomamos direção leste, até Red Lodge. Normalmente a 212 é uma estrada onde o frio se torna constante pela altitude. Somado ao nevoeiro e vento, típico daquela região, confere àquele ponto certo grau de perigo. Já a US-212 é daquelas estradas pelas quais não se pode deixar de passar. É excepcional, magnífica, deslumbrante, desafiadora. Depois de uma breve parada em Red Lodge para o almoço no Bridge Creek Backcountry, voltamos pelo mesmo caminho sentido oeste até chegarmos ao nosso próximo ponto de parada, Cooke City, já em Montana.

Esta minúscula cidade, onde a rua principal se funde com a estrada, não tem mais de uma milha e fica quase que isolada no inverno, sendo a única passagem para Gardiner (cidade mais a oeste, ao norte do Yellowstone).

Confira a Parte 2 do roteiro.

*Matéria publicada na edição #178 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA