Domingo com dia chuvoso, para muitos um dia qualquer, mas para três amigos apaixonados pelo motociclismo e pela aventura, foi uma data mais que especial

TEXTO E FOTOS: OSWALDO FERNANDES JR.

O grupo estava formado! Durante a semana muita troca de mensagens, comentários no grupo, sugestões e ideias eram trocadas, debatidas e alteradas. Quanta ansiedade para um domingo de passeio de motocicleta, afinal domingo é um dia propício para a prática do moto turismo. O tempo não passava, na semana anterior ao grande evento. Na segunda-feira a torcida era para que a semana passasse logo e, assim, chegasse o grande dia. Na terça foi dia de projetos, quarta-feira discussão do trajeto, e na quinta o programa estava pronto. Sexta-feira, todos avisados e confirmados, sábado dia de preparar a moto e as bagagens, e no domingo, sem comentários, pois choveu.

Que coisa, foi chover justo no domingo! O grupo fervia de conversas. Plim, plim, plim. Este era o som de mensagens chegando, confirmando a chuva, e a previsão que seria o dia todo assim, e pior que isto, das desculpas que o passeio seria abortado pelas ausências dos “motociclistas de açúcar”. Tanta expectativa para um domingo aguardado e planejado.  Bendito São Pedro, aclamado santo dos motociclistas de final de semana. 

Parecia um domingo de conspiração do universo contra os próprios mortais.  Nosso moto passeio sairia de São Paulo, onde seguiríamos para a baixada santista pela estrada de serviços do complexo de rodovias Imigrantes/Anchieta, chegaríamos à cidade de Cubatão e, posteriormente, a cidade de Guarujá, com retorno ao final da tarde para São Paulo. Seria fantástico, lindas paisagens da serra do mar, visita ao parque dos Pilões e passeio pelas praias da linda orla marítima.  Seriam 300 km de percurso, moto passeio, amigos motociclistas, novos caminhos e entretenimento. Mas choveu! No ponto de encontro, apenas 3 dos quase 20 inscritos e registrados ao moto passeio. Ozzy, Laertes e Claudio tentando animar a turma, mas sem resultado. São Pedro não ajudava. E assim mesmo, numa decisão rápida e certeira, resolvemos prosseguir ao tão esperado dia de aventura.

Aos primeiros quilômetros da rodovia dos Imigrantes, em um passe de mágica o clima mudou, parou de chover e nosso passeio consolidou-se. Entramos pela estrada de serviços, lindas paisagens com encostas em rochas, escarpas, curvas, cachoeiras, fauna e flora da Mata Atlântica. Com decisão unânime, ao chegarmos ao parque dos Pilões decidimos uma mudança estratégica de roteiro: seguimos para o Vale do Quilombo.  Localizado na encosta da serra do mar, entre as cidades de Cubatão e Guarujá, com acesso pela rodovia Cônego Domênico Rangoni, tomamos o acesso ao Vale do Quilombo. 

O acesso inicia-se como rua de terra, depois muda para um caminho fora de estrada e após 10 km, torna-se uma trilha de off-road. Ozzy, Laertes e Claudio, nas respectivas Versys 650 e suas Royal-Enfield Himalayan percorreram com muita emoção, nos próximos 6 km, em matas fechadas, solo arenoso, poças, trechos de pedras pontiagudas e com travessia de rio. Ao final da trilha, cansados, mas motivados pela aventura, fomos contemplados com a barragem de um lago, um local lindo para contemplação e admiração. Tudo isso sem chuva, compartilhando grandes momentos, praticando o “motociclismo raiz”, unidos pela paixão de juntos conviverem e explorarem limites e novas experiências.  E a volta? Foi assim também, fantástica!

E como vamos lembrar deste grande dia? Que é necessário acreditar! Acreditar na natureza, na vontade, na esperança e em nós mesmos. Entendermos que os Deuses conspiram a nosso favor. E se fosse um dia chuva? Também seria ótimo, os Deuses continuariam a nosso favor, com as mesmas emoções, e nós um pouco mais molhados. 

É isto aí, nos encontramos pelas estradas, e sempre em frente.

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também