Com visual atraente e diversos itens tecnológicos, Dafra Maxsym 400i oferece pilotagem segura e muita diversão ao condutor

TEXTO E FOTOS: TRINITY RONZELL

E com vocês… a Dafra Maxsym 400i! A praticidade desta moto é inquestionável. Tanto no uso urbano como nas rodovias, ela domina a paisagem. Quanto mais o tempo passa, mais pessoas se rendem aos veículos de duas rodas. Os motivos são vários: ganho de tempo, economia, baixo investimento, praticidade, diversão… e por aí vai. No universo das motos, as scooters são uma categoria em franca ascensão.

De várias cilindradas e marcas, esses veículos seduzem os motociclistas pela facilidade de pilotagem. E os modelos evoluíram a tal ponto que, hoje, podemos ter uma scooter para uso diário e outro para pegar a estrada! Elas oferecem segurança, tecnologia, conforto e capacidade de carga, com a facilidade de “só” precisar acelerar. A imagem de uma pessoa vestida socialmente em cima de uma scooter é cada vez mais comum, principalmente nos grandes centros. A Maxsym 400i sempre me despertou curiosidade pelo tamanho/potência e, também, por me passar a impressão de conforto e segurança. Pois bem: chegou a hora de testá-la!

DETALHES

Programei-me para pegar o modelo Maxsym 400i e usá-lo em todas as condições, sendo cidade e estrada. Ao me aproximar dele, fiquei alguns minutos observando os detalhes: comandos, compartimentos, ignição e tanque de combustível, entre outros aspectos, para começar a me localizar e ir me familiarizando com suas características. Comecemos pelo visual, que chama atenção: linhas futuristas, bancos largos, painel prático e completo, para-brisa alto, bloco ótico atual e elegante… O modelo causa uma ótima impressão.

Outras particularidades me cativaram (não que eu ache todas elas necessárias, mas a moto é bem completa!): ar quente direcional para as pernas, acionamento da pedaleira do garupa muito bem bolado (pisou, abriu a pedaleira!), cavalete central e freio de estacionamento, iluminação interna do bagageiro sob o banco, dois portas-objetos espaçosos, com trava e próximo ao guidão, outro porta-objeto central com travamento na chave, com USB e tomada de 12V. Além de manetes com regulagem e contato da ignição com trava!

CARACTERÍSTICAS

O que move tudo isso é um motor de 399,3 cm³ disposto horizontamente, monocilíndrico de 4T, OHC (Over Head Camshaft, ou seja, que tem o eixo do comando de válvulas na parte superior do cabeçote) refrigerado a água. A potência é de 33,3cv a 7.500 rpm e o torque máximo é de 3,2 kgf.m a 5.500 rpm, movido por correia. Para enfrentar o asfalto irregular das cidades, uma suspensão de garfo telescópio com 106 mm na dianteira e Unit Swim dual suspension de 112 mm na traseira. Igualmente úteis são os aros de liga leve de 15” na dianteira e 14” na traseira, com pneu sem câmaras. As dimensões não são um problema, com 142 mm mínimo do solo e 755 mm do banco, que permitiram tranquilamente controlar os 229 kg e os 1.555 mm de entre-eixos em meio ao trânsito e ao “zigue-zague” do dia a dia.

O bocal do tanque de combustível também é de fácil acesso entre os pés e tem capacidade de 14,7 litros, o que dá uma boa autonomia – em nosso teste, chegou a fazer uma média de 23 km/l. Quem nunca pilotou uma scooter pode achar estranho, no início, mas se acostuma rapidamente. A transmissão CVT não responde instantaneamente ao estímulo do acelerador e a embreagem automática demora um pouco para colocar a moto em movimento. Porém, é questão de se adaptar!

EM MOVIMENTO

Saindo da concessionária, já enfrentamos o trânsito antes de pegarmos a estrada. Foi tranquilo! Em poucos quilômetros, me habituei às dimensões, à posição de pilotagem, aos freios e aos aceleradores. Um detalhe que me chamou a atenção foi que, ao passar por entre os veículos, ela me pareceu ser mais “magra”. Flui tranquilamente entre os carros, por seus retrovisores serem mais fechados que os da minha scooter de uso diário. Os freios são muito eficientes – transmitem segurança quando são acionados.

Uma vez na estrada, a impressão é que você está em um carro – o modelo é firme e silencioso. Já o para-brisas e a carenagem protegem quase o corpo todo e oferecem espaço para mudar a posição das pernas facilmente, o que deixa a viagem menos cansativa. A velocidade surpreende! Se não estiver atento, devido aos vários fatores citados a pouco, o ponteiro sobe e ultrapassa facilmente o limite. Nem parece ser uma scooter. Até os 140 km/h ela está firme, “na mão” e com tranquilidade. Não passamos daí…

O bom da capacidade de carga é que, mesmo usando só o compartimento sob o banco, pode-se levar muita coisa. Demora um tempo para nos familiarizarmos com os espaços. Outra situação interessante se deu durante uma chuva leve: praticamente não me molhei na estrada. O piloto está muito bem protegido pelas carenagens (a roupa de chuva ficou guardada). Em uma das paradas para fotografar, usei o freio de estacionamento. Acho que todas as scooters deveriam ter esse dispositivo. Quem nunca sofreu ao parar um veículo como este em uma subida ou descida? Bastou puxar a alavanca do lado direito e pronto – paradinha!

O teste prosseguiu em outro dia, quando usei o veículo para ir às compras. Fui ao supermercado em busca de certos itens, mas sempre acabamos levando algumas mercadorias a mais. Em meu caso, com minha scooter, abro o baú, coloco alguns itens lá e o resto vai embaixo do banco, ou em sacolas que ficam penduradas na parte da frente, próximo aos meus joelhos. Com a Dafra Maxsym, abri o bagageiro e pronto: coube tudo lá dentro!

Outro ponto que vale ressaltar é o banco do garupa. Em uma oportunidade, levei a esposa ao trabalho e, em outra, fui buscar meu filho e sua “mochila” na escola. Os comentários foram positivos. Minha mulher afirmou: “Nossa! Esse banco tem o conforto de um carro”! Já o meu filho abriu um grande sorriso e exclamou: “Que motona legal”. Mesmo com garupa, a Maxsym entrega conforto e potência satisfatórios. O amigo Ivan, a quem levei dar uma volta, também ficou impressionado com o conjunto. Nunca tinha andado em uma scooter desse porte e ficou pensativo a respeito. Ter ou não ter uma dessas – eis a questão! Em duas opções de cores, preta ou branca, o futuro proprietário terá a sensação de ter feito uma compra segura, já que esses modelos não são visados pelos “malandros” e o produto entrega mais do que aparenta.

Agradeço à Dafra Motos pela oportunidade de testar a máquina e, também, à concessionária ITVA LAPA, pelo empréstimo e o ótimo atendimento. Preço sugerido: R$ 26.690,00.

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here