De pai para filho: Construção de laços pelo Motocross

Paixão pelo off-road foi transmitida de geração para geração

Texto: Redação
Fotos: Divulgação

 

De pai para filho

Quando o Dia dos Pais chega é inevitável não pensar em união, carinho e amor. E quando isso tudo acontece em meio a muita lama e velocidade? É só parar para conversar nas trilhas por todo o País ou nas competições de motocross nos finais de semana que encontramos histórias emocionantes: personagens que compartilham, além do amor de pai e filho, da paixão pelo off-road em duas rodas.

Os pilotos de motocross Caio Lopes e Jean Ramos são exemplos do vínculo Pai/Filho/Off-Road. Paulista, 24 anos e piloto da Equipe Gaia MX, Caio Lopes guarda no currículo uma experiência de pelos menos 21 neste esporte. Começou a andar de moto com apenas três anos, por influência do seu pai, Valmir Jesus, que era piloto também. O esporte foi passado de pai para filho e hoje Caio se orgulha em seguir os passos de Valmir e receber todo o apoio de seu herói.

“Meu pai me acompanha em todas as corridas e em alguns treinos, iniciei no esporte por influência dele, que andava na época, então, se cheguei até aqui foi por ele sempre estar ao meu lado”, conta o piloto. Valmir parou de correr assim que Caio estava se tornando profissional e sempre o acompanha em treinos e competições. Hoje, ele não apenas apoia, mas trabalha com seu filho: cuida de sua moto e encarrega-se da manutenção. Também é Valmir quem dá as placas informativas para o Caio durante a corrida.


Projeção

As expectativas do piloto para 2017 são grandes. Ele que foi campeão do brasileiro em 2014 na categoria 230 cilindradas e está em busca do título novamente, se sente preparado e conta que ter o pai ao seu lado é uma de suas maiores motivações: “Para mim é muito importante ter ele me apoiando, isso faz muita diferença tanto nos dias de alegria quanto nos dias ruins. Devo muito a ele por ter ajudado a viver meu sonho”.

A trajetória de Caio se assemelha a do curitibano Jean Ramos – piloto de motocross do time Gaia MX, que iniciou neste esporte com 4 anos por influência da família. “Meu pai sempre foi apaixonado por competição a motor, meus irmãos competiam e eu sempre os acompanhava, até que eu pedi para competir também. Ele me apoiou desde o primeiro dia”, conta Jean.

Segundo ele, seu objetivo nesse ano é conquistar o brasileiro de Motocross e, para isso, precisará de muito treino e companheirismo. Este apoio ele recebe de seu pai, que nunca o deixa sair de seu foco, ajudando no desenvolvimento do Jean como piloto. “Meu pai sempre me põe no foco e me orienta em tudo, não só como atleta, mas como pessoa também. É um homem sensacional e se eu cheguei aonde cheguei, devo muito a ele e a minha família”, afirma o piloto da Gaia MX, ao se lembrar de tudo o que já passaram juntos. “Memórias com meu pai são muitas, pois ele sempre esteve do meu lado, me apoiando ou orientando. Nós perdemos juntos e ganhamos juntos”, conclui Jean Ramos.

VEJA TAMBÉM: Pai e filho viajam de moto para as Ruínas de São Miguel.

DEIXE UMA RESPOSTA