Do litoral ao sertão, os desafios do RN 1500

 

Quatro dias do mais puro Rally Cross Country, com diversidade de terrenos e dificuldades técnicas. RN1500 se consolida cada vez mais como uma das mais desafiadoras provas do país

Texto: Doni Castilho
Fotos: Doni Castilho/Gustavo Epifânio/Claudiney Santos (DFotos)

Alguns dos melhores pilotos de Rally de Cross Country do país estavam reunidos nessa prova do RN 1500, entre eles Ricardo Martins (Yamaha), Zé Hélio (Husqvarna), Ramon Sacilotti (Kawasaki), e o esquadrão da Honda Racing, formado pelos experientes Jean Azevedo, Gregório Caselani e Tunico Maciel, além dos pilotos de quadriciclo Pedro Henrique, George Ximenes e Geison Belmont, entre outros feras. Alto nível também entre os competidores de UTV’s, como os atuais campeões da categoria no Rally Dakar, a dupla Leandro Torres/Lourival Roldan, os campeões de 2016 do RN 1500, a dupla alagoana Gustavo Xavier/Deco Muniz, e o multicampeão dos quadriciclos, Francinei Costa, que estreia entre os UTV’s e contou com a navegação de Decio Benevides. Além de outros expoentes da categoria.

RN 1500

ESPETÁCULO

No dia 6 de abril foi disputado um belíssimo prólogo, entre as praias e dunas da região de São Miguel do Gostoso. Apesar da beleza do percurso de 28 quilômetros, não houve moleza para os competidores, que pilotaram o tempo todo sobre areia fofa. Eles se desdobraram para não se perder entre os caminhos de areia, pois diversos waypoint de marcação de GPS foram colocados no trecho. Se o competidor não passasse dentro de um raio de 500 metros desses pontos virtuais, sofria penalização do seu tempo de prova.

No dia 7 de abril aconteceu a primeira etapa, de São Miguel do Gostoso até Macau, cidade que volta a integrar o roteiro do RN 1500. Essa etapa começou novamente pelo trecho do prólogo do dia anterior para depois entrar no trecho das dunas de Galinhos, um trecho exigente e de muita navegação. Depois ainda mais 70 km de estradinhas e trilhas, para enfim entrar na parte final do dia, um imenso alagado seguido de mais dunas. Foram 189,69 km de percurso, com trecho especial de 147,90 km.

A segunda etapa, no dia 8, seguiu de Macau até Currais Novos, no qual seriam incluídos trechos inéditos nas 18 edições do evento. A etapa foi a mais longa do rali, com total de 264,14 km e especial de 176,15 km. Um dos mais belos trecho da prova foi por volta do km 100, onde os competidores passaram por uma represa e seguiram por trechos cercados de buritis.

Para fechar a competição, a terceira etapa ligou Currais Novos a Bom Jesus, que preparou uma grande festa para receber o rali. Para chegar até lá, foi preciso percorrer as estradinha e trilhas da região do Seridó, com suas pedras e desafios naturais. Ao todo foram 175,13 km nesse ultimo dia, com trecho cronometrado de 111,62 km. Já a premiação e apresentação do projeto para o RN 2018 foi no mesmo dia, no Restaurante Nau, em Natal.

RN 1500

SUCESSO

Ao todo foram cerca de 900 quilômetros de percurso pelo Rio Grande do Norte, com quase 500 de Especiais (trechos cronometrados) e muita areia, pedra, riacho seco, trial, dunas, serras etc. Mas, após quatro dias, o 19º Rally RN 1500 conheceu seus vencedores nas categorias motos, carros, quadriciclos e UTV’s, que somaram pontos para o Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country.

VEJA TAMBÉM: Polaris é a grande vencedora do Brasileiro de Rally Cross Country 2016.

“Fechamos mais uma edição do Rally RN 1500 com sucesso. Conseguimos proporcionar uma prova ao nosso estilo, com grande variedade de terreno e bastante exigente para pilotos, navegadores e equipamentos. Fico feliz que todos tenham gostado e agradeço a todos que ajudaram a fazer esse evento”, destacou Kleber Tinoco, diretor geral da competição.

Vale dizer que o resultado positivo na primeira etapa e administração da vantagem nas etapas seguintes foi a tática de Tunico Maciel, da Honda Racing Rally Team, mantendo a vantagem para o segundo colocado, Gregório Caselani, seu companheiro de equipe. Tunico totalizou 6h49min27seg, enquanto Gregório fechou com 6h50min28seg. O terceiro lugar foi de Jean Azevedo, também da Honda Racing Rally Team, com 6h57min11seg.

Pedro Henrique, campeão nos quadriciclos, também destacou a regularidade em sua estreia no RN 1500. “O primeiro dia foi muito difícil. Não tinha usado navegação por dunas e preferimos poupar o equipamento. Nossa estratégia foi manter um ritmo forte, mas sem colocar o equipamento em risco”, destacou o piloto de Barreiras (BA).

Três vezes campeão na categoria quadriciclos, Francinei Costa fez sua estreia nos UTV’s nesta temporada. “Muito confortável o UTV. Nos quadris a gente briga muito com o veículo. O navegador me ajudou a ganhar a prova”, declarou Francinei Costa.

BOA AÇÃO

A edição deste ano também contou com um cuidado especial com o  ambiente local, visando afetar o mínimo possível os ecossistemas da região. As áreas de proteção ambiental inclusas no roteiro, que foram preservadas com o aval dos órgãos locais competentes, e a presença e apoio de pilotos no trabalho de desova das tartarugas na região de São Miguel do Gostoso também merecem destaque. “Temos de preservar esses lugares e não deixar de apoiar todas as ações. Por tudo isso, fechamos a 19ª edição com o sentimento de dever cumprido”, conclui Kleber Tinoco.

RESULTADOS

MOTOS

1) Tunico Maciel (Honda CRF 450 X/Honda Racing Rally Team/(1)PDA), 6:49:27.

2) Gregório Caselani (Honda CRF 450 X/Honda Racing Rally Team/(1)SPD), 6:50:28.

3) Jean Azevedo (Honda CRF 450 X/Honda Racing Rally Team/(2)SPD), 6:57:11.

4) Zé Hélio (Husqvarna FE450/Ze e os Caras/(3)SPD), 7:04:18.

UTV

1) Francinei Souza Costa/Decio Benevides (Maverick X3/Terrabella Racing/(1)SPDA), 7:07:50.

2) Gustavo Xavier/ Deco Muniz (Polaris RZR XP 1000 Turbo/Pancadão Rally Team/(1)PRDT), 7:15:12.

3) Denisio do Nascimento/ Emilio Rockenabch (Can Am X3/Bompack Racing/(2)PRDT), 7:16:02.

4) Lucas Barroso/ Breno Rezende (Maverick X3/Terrabella Racing/(3)PRDT), 7:19:00

DEIXE UMA RESPOSTA