A exuberância da floresta e a riqueza arquitetônica são atrativos da região

POR REDAÇÃO

FOTOS: DIVULGAÇÃO

De um lado, a cidade, suas esquinas, seu passado e sua organização. De outro, a selva, cheia de segredos e encantos. Com a proximidade das férias de dezembro e janeiro, escolher Manaus como destino de viagem é unir o melhor desses dois mundos. A capital do Amazonas guarda um conjunto arquitetônico que reflete um dos períodos mais representativos da economia brasileira. E ainda é ponto de partida para uma jornada de descobertas pela floresta. Heranças do Ciclo da Borracha, cujo o ápice se deu nos primeiros anos do século 20, edifícios como o Palácio Rio Negro, o Mercado Municipal e o Teatro Amazonas são até hoje pontos turísticos e símbolos da Paris dos Trópicos, como Manaus foi chamada durante sua urbanização moldada à francesa, ao gosto dos barões do látex. É também no coração desse Centro Histórico que está o Juma Ópera.

O mais novo hotel da capital amazonense resgata o esplendor de um edifício tombado pelo Patrimônio Histórico, erguido em meio ao período de prosperidade vivido pela cidade. Boa parte das linhas originais foi mantida pelo projeto arquitetônico, que procurou oferecer aos hóspedes visão desimpedida do vizinho mais ilustre: o Teatro Amazonas, cuja majestosa cúpula, composta por cerca de 36.000 peças esmaltadas, pode ser enxergada a partir da maioria dos quartos. Áreas comuns também têm o teatro como pano de fundo, entre elas a academia, o restaurante — onde a chef Sofia Bendelak retoma a consagrada exploração dos produtos amazônicos em harmonia com técnicas e segredos da cozinha de vanguarda — e a piscina. Situada no rooftop, ela permite observar ao fundo a orla do Rio Negro.

O maior afluente da margem esquerda do Rio Amazonas é parte do caminho de quem segue rumo ao Juma Amazon Lodge, hotel de selva localizado a 100 quilômetros de Manaus. Na travessia que mescla trechos terrestres e fluviais, o hóspede passa pelo Encontro das Águas, famosa atração local, em que os rios Negro e Solimões se unem depois de correrem paralelamente por 6 quilômetros. O visitante pode perceber, de forma clara, a diferença de tonalidade e de temperatura entre eles.

Em uma área preservada de 7.000 hectares, o Juma Amazon Lodge foi construído sobre palafitas, respeitando método utilizado pela população ribeirinha da Amazônia ao construírem suas casas. Resguardados pelas copas das árvores, bangalôs e demais instalações ficam a 15 metros de altura, nível máximo atingido pelo rio no período da cheia. Os dias de quem se hospeda no Juma Amazon Lodge são marcados pelo espírito de aventura. Em passeios pela mata e nas atividades de observação, crianças e adultos são estimulados a conhecer hábitos de animais e características da flora. Tudo na companhia de guias nativos, empenhados em revelar belezas e ensinar a preservar um dos mais importantes ecossistemas do mundo.

Da rica combinação entre selva e cidade, nasce uma viagem que exercita lições de história, de ciência e, principalmente, de cidadania.

Mais informações podem ser obtidas no site http://www.jumalodge.com.br/.

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também