Moto Adventure testa modelo Scrambler, da Ducati, produzido e comercializado com exclusividade no mercado nacional. Confira as nossas impressões

TEXTO E FOTOS: TRINITY RONZELLA

De olho nos novos integrantes do mundo das duas rodas, a italiana Ducati lançou em 2014 a nova versão dos modelos comercializados no período de 1962 a 1976. No Brasil, essas motos chegaram em 2015, no Salão Duas Rodas, para virar sonho de consumo de muito motociclista. Desde então foram vários os modelos de Scrambler que desembarcaram por aqui: Icon, Urban Enduro, Full Throttle e Classic. Todos eles têm a mesma motorização, mas com algumas alterações estéticas e particularidades que tendem a aproximar os diferentes estilos de seus proprietários. Dá vontade de ter uma de cada!

A Scrambler Custom é um modelo exclusivo para o mercado brasileiro, produzido por aqui. A moto vem “pronta” de fábrica, mantém a base da Scrambler, com algumas alterações de componentes, como a grade do farol em X, retrovisor baixo e guidão mais esportivo, sem perder o conforto e a facilidade de condução, apenas com novo estilo. Disponível nas concessionárias por R$ 44.900,00, o modelo não é encontrado no site da marca, apenas nas lojas físicas. Como o site oficial usa uma plataforma global, o modelo “brazuca” não aparece lá, mas já tem muita coisa na internet sobre ele.

Especificações técnicas

Com um motor de 803 cc bicilíndrico em L, arrefecido a ar e seis marchas, fica fácil e confortável acelerar em qualquer faixa de giro, sendo que, a partir dos 3.000 rpm, a força do motor se mostra, fazendo com que os 75 cv de potência se tornem mais do que suficientes para uma tocada segura e prazerosa. Os freios a disco nas duas rodas, 320 mm na dianteira e 245 na traseira, já vêm com ABS.

Para enfrentar o uso urbano e nosso asfalto bem irregular, as duas suspensões são Kayaba, 150 mm de curso na dianteira, e a mesma medida na traseira, com um monoarmotecedor com pré-carga ajustável.

Essa moto conta com 2,10 m de comprimento, 0,84 m de largura e 1,15 m de altura, sendo 0,79 do assento ao solo, e vem calçada com pneus Pirelli MT 60 RS 110/80 R18 na frente, e 180/55 R17 atrás. O tanque de combustível carrega 13 litros de gasolina, suficiente para rodar 200 km de maneira tranquila.

Na prática

O visual da moto encanta logo de cara, fato que comprovamos durante os quase 300 km percorridos em estrada e cidade. Por onde passa a máquina recebe olhares admirados, elogios e pedidos para foto! Não precisa ser um piloto experiente para se aventurar na Scrambler, ela é simples e fácil de conduzir, sem deixar transparecer que é uma 800 cc. A posição de pilotagem é bem mais confortável do que parece, o guidão baixo não tirou o prazer da condução, continua muito agradável. As peripécias no labirinto do trânsito diário não foram prejudicadas, pelo contrário, manteve a praticidade. Os freios são eficientes e precisos, passando confiança e deixando o dia a dia mais seguro. As irregularidades do asfalto de nossas cidades também não foram problemas para as suspensões que, de forma eficiente e suave, tornaram as idas e vindas menos sofridas em meio a quilômetros de asfalto ruim.

Rodamos um trecho de estrada também para termos uma ideia de como seria seu desempenho. Nesse ponto, devido ao estilo da moto, o vento no peito pode se tornar um incômodo, mas o estilo é esse. Não adianta comparar e falar que uma carenagem faria diferença, é óbvio, como também, que o vento ajuda a enfrentar o calor de um país tropical.

Aproveitamos e oferecemos a moto para um motociclista que possui uma big trail e uma naked, para ter uma ideia do que ele acharia. Com a palavra, Ivan de Moraes: “Uma proposta bem interessante, que me surpreendeu em diversos aspectos: leve e maleável tanto na estrada como na cidade, passa segurança nas curvas, torque agressivo em arrancadas e retomadas. O guidão mais baixo parece ser uma naked, com uma pilotagem mais “lançada” e segura. Conjunto de suspensão muito macio, que deixou a moto bem confortável nos irregulares tipos de pisos das cidades. Só não achei legal a falta de marcador de combustível e o banco um pouco estreito, mas isso não compromete o projeto, que me surpreendeu muito positivamente”.

Poderia ser melhor…

A moto vem com espelhos abaixo do guidão, que dá um visual bem legal, mas, no meu caso, com 1,80 m, esses espelhos não encaixaram. Explico: quando se faz manobras em baixa velocidade, como serpentear pelo trânsito, ao virar totalmente o guidão os espelhos pegam no joelho, exigindo deslocá-los do tanque para diminuir a amplitude da manobra. Outro ponto referente a isso é que, para se olhar no espelho, é necessário desviar o olhar da pista, o que não acontece com o espelho na posição tradicional. Mas é só uma questão de pegar a chave e colocá-los virados para cima, simples assim. Outro ponto que sentimos falta foi o marcador de combustível, limitado a uma luz de reserva que, quando acende, permite rodar aproximados 50 km na cidade, mas logo que acender, abasteça!

“Os finalmentes”

Com um apelo visual forte e também confortável para pilotar na cidade e estrada, a Scrambler Custom é uma moto que dá prazer em pilotar, além de atender bem quem precisa de uma segunda moto mais estilosa para uso diário e que pode enfrentar estrada tranquilamente, ou mesmo para quem quer uma motocicleta só para fazer tudo, pois em teste com outro modelo da linha, vimos que ela enfrenta estradas não pavimentadas numa boa. Ainda tem opções para dar um toque pessoal no que se refere à customização, deixando-a mais personalizada.

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS:

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here