A KTM, fabricante austríaca de bigtrails e nakeds de alta cilindrada, também atende à demanda por motos leves, ágeis e econômicas. Com preço de R$ 15.900, a pequena naked é fabricada na Índia e montada no Brasil desde 2015

Texto: Rosa Freitag
Fotos: Fernando Esposito

KTM Duke 200

KTM Duke 200: uma pequena notável! Com distância entre-eixos de 136,7 cm, comprimento de 200,2 cm e peso seco de 129 kg, as dimensões são similares às do scooter PCX. Manobrá-la para estacionar é muito fácil. Mas, a comparação com scooters acaba aí. A suspensão dianteira WP, invertida, tem diâmetro de 43 mm – a mesma usada na 690 Duke. A balança, de alumínio, tem um belo design, visando a uma redução de peso, e o amortecedor monoshock WP dá à suspensão traseira um curso de 150 mm, o mesmo da dianteira.

Os freios Bybre (“By Brembo”), com disco dianteiro de 300 mm e traseiro de 230 mm, são superdimensionados e compensam a falta de ABS no modelo. O quadro, em treliça de aço, parece originário de uma moto de maior cavalaria, assim como as rodas de liga, aro 17”, com pneus radiais sem câmara Pirelli Diablo Rosso II, 110 mm(D) e 150 mm(T). O motor de 199,5 cc é monocilíndrico, com injeção eletrônica e refrigeração líquida e produz potência máxima de 26 cv. O câmbio de 6 marchas aproveita bem o torque de 1,95 kgf.m a 8.000 rpm. A capacidade do tanque é de 12 litros e a altura do banco é de 80 cm.

Design impecável

O acabamento transborda qualidade, destacando o guidão de alumínio, os flexíveis de freio Aeroquip e outros cabos organizados de maneira elegante e a iluminação em LED dos comandos dos punhos. Os piscas e a lanterna traseira também são de LED. O escape é minúsculo e uma ponteira Akrapovic está disponível como acessório KTM PowerParts. Ao girar a chave, aparece o slogan “Ready to Race” no painel digital, que varia a iluminação do fundo laranja de acordo com a luz ambiente e tem relógio, indicadores de marcha, temperatura e nível de combustível, alerta de apoio lateral abaixado, velocímetro, conta-giros e computador de bordo com hodômetros, média de velocidade por hora, tempo de condução, consumo instantâneo, alerta de nível de combustível baixo com indicador da autonomia restante, hodômetro que mostra quanto já rodou na reserva, e shift-light programável, entre outras funções.

O shift-light faz lembrar que esta é uma moto de 200 cc e, para andar a 50 km/h, é preciso engatar a quarta – é isso que a torna divertida no trânsito, pois dá para andar sempre acelerando e subindo marchas, em vez de sofrer controlando na embreagem uma moto de alta cilindrada e relação longa. Na estrada, quanto mais aceleramos, mais ela grudou no chão e chegamos a 136 km/h com consumo instantâneo de 30 km/l! A vibração, menor que a de uma monocilíndrica de 650 cc. Em estrada de chão com cascalho e nas lombadas e buracos do asfalto, transmite a segurança de uma trail. As pedaleiras são recuadas e o banco é firme, mas a suspensão é excelente, o câmbio macio, a pilotagem é fácil e ela convida a fazer curvas arrojadas. Em branco ou laranja, diversão de alto nível em um pacote compacto!

FICHA TÉCNICA:

MOTOR

TIPO – 1 cilindro, motor 4 tempos

CILINDRADA – 199.5 cm³

POTÊNCIA EM KW – 19 Kw

MOTOR DE PARTIDA – Motor de partida elétrico

LUBRIFICAÇÃO – Cárter úmido

TRANSMISSÃO – 6 velocidades

ARREFECIMENTO – Sistema de resfriamento por líquido

EMBREAGEM  – Embreagem com vários discos em banho de óleo, com acionamento mecânico

CHASSIS

TIPO DE ESTRUTURA – Quadro em treliça de aço, com pintura a pó

SUSPENSÃO DIANTEIRA – WP invertida Ø 43 mm

SUSPENSÃO TRASEIRA – Monoshock WP

FREIO DIANTEIRO – Pinça radialmente parafusada de dois pistões, disco de freio

FREIO TRASEIRO – Pinça flutuante de um pistão, disco de freio

DISTÂNCIA ENTRE EIXOS – 1367 ± 15 mm

ALTURA DO ASSENTO – 800 mm

CAPACIDADE DO TANQUE (APROX.) – 9.5 litros

PESO EM SECO – 129.5 kg

VEJA TAMBÉM: KTM 390 Duke ABS leva tecnologia dos campeonatos para as ruas.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here