Viagem de moto de São Paulo a Pomerode (SC): Marreco ao molho Griffus

Motociclistas viajaram de São Paulo a Pomerode (SC) para abraçar um irmão, aventureiro como eles

Texto e fotos: Cezar Augusto de Oliveira

Marreco ao molho Griffus

Qual é o segredo para vários motociclistas se juntarem apenas para comer marreco recheado a quilômetros de distância de suas casas? É simples, basta convidar! E foi isso que aconteceu no dia 24 de abril, data do aniversário de Fredi Behling, o “Manga”, presidente do Griffus Moto Grupo, que tem sede na cidade catarinense de Pomerode.

Para comemorar esse acontecimento, motociclistas de São Paulo e do Rio Grande do Sul foram para lá. Tudo começou em uma conversa informal puxada pelo Ronaldinho, do Hawk Riders, amigo de longa data do Manga. A ideia era aproveitar o feriado de Tiradentes para dar um abraço no companheiro.

Integrantes do MG

O convite foi estendido para outros “hawks” e para o Carpe Dien, que imediatamente não só aceitou como chamou outros amigos, incluindo a Revista Moto Adventure. Nada de evento, hotel, etc., era apenas o encontro de motociclistas para desejar felicidades a um irmão.

Belos e longos quilômetros

De Araucária a Pomerode o caminho escolhido foi o mais longo e bonito possível, passando por Lapa, Mafra e a esperada Serra Dona Francisca, em Joinville (SC). Mesmo sendo uma serra relativamente pequena, se comparada à do Rio do Rastro, sua vizinha famosa, não deixa de ter seu encanto e diversas curvas que exigem do condutor certo grau de experiência na pilotagem.

Após um dia curtindo esse visual esplêndido, os viajantes chegaram à sede do Griffus MG, em Pomerode, que foi fundado em 27 de julho de 2010 e conta com 10 integrantes: Manga, Zwibel, Helcio, Neco, Daniel, Nico, Urco, Tati, Betina e Camila.

Expectativa pelo marreco

Antes de saborear o esperado marreco recheado, Manga levou os hawks Ronaldinho, Kiko e Rafa, os carpes Cezinha e Alemão e o Michel, do Rocksters, de Balneário Camboriu (SC), para conhecer uma gruta em São Pedrinho (SC). É um local de beleza inexplicável, onde o visitante pode andar atrás da cachoeira numa plataforma muito bem montada e organizada, tudo gratuito. Os motociclistas passaram um bom tempo no local, fotografando e curtindo a mãe natureza. Vale a pena a visita!

De volta a Pomerode, o carpeta Waltão, de Farroupilha (RS), se juntou ao grupo e todos finalmente degustaram o tal marreco recheado. À noite o grupo se reuniu à mesa para um jantar típico paulistano: pizza. Confraternizaram e se prepararam para voltar para casa no dia seguinte, trazendo na bagagem o amor, carinho, respeito e irmandade que só quem é motociclista sabe o significado.

Marreco recheado

Pensa que a história acabou por aí? Não! A moto do Kiko resolveu quebrar próximo de Curitiba e, novamente, o espírito motociclista se fez presente. Mauricio e Dayse prontamente tiraram a bateria da moto dele e a levam ao grupo, mas, como esse não era o problema, Kiko teve que pernoitar na residência deles para consertar a motocicleta no dia seguinte, e só então terminar o passeio, são e salvo.

VEJA TAMBÉM: Viagem de moto entre São Paulo e Itajaí (SC).

DEIXE UMA RESPOSTA