Uso de celular ao volante é tema da campanha #FocaNoTrânsito do Detran.SP

Ação faz parte do Maio Amarelo e é baseada em levantamento que aponta que 94% dos acidentes com vítimas fatais são causados por falhas humanas

Texto: Redação
Foto: Divulgação

#FocaNoTrânsito

Você está dirigindo e o telefone toca. Você olha a tela para saber quem é, certo? Errado! Distrair-se com o celular no trânsito nunca é uma boa ideia. Dando continuidade às ações do Maio Amarelo – mês dedicado internacionalmente à segurança no trânsito – o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP), em parceria com o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, reforça a mensagem sobre os riscos do uso do celular ao volante, como parte da campanha educativa “Foca no Trânsito”.

A campanha convida a todos a refletir sobre uma estatística alarmante: 94% dos acidentes com mortes são causados por falha humana, como imprudência e distração, de acordo com levantamento do Infosiga SP, banco de dados do Movimento.

“Quando for dirigir ou atravessar a rua deixe o telefone de lado. Temos que nos conscientizar de que, com a mudança de comportamento, salvamos vidas”, ressalta Maxwell Vieira, diretor-presidente do Detran.SP.

VEJA TAMBÉM: Detran.SP alerta sobre os perigos de dirigir sob efeito de álcool.

Perigo constante

Ao parar em um semáforo na Avenida Washington Luís, na capital paulista, a relações públicas Keila Bispo percebeu que um veículo se aproximava rápido demais. “Senti o impacto e bati em um caminhão à minha frente. Meu carro amassou na frente e atrás e fiquei com o prejuízo. O motorista que causou o acidente fugiu. Testemunhas disseram que o cara estava manuseando o celular. Foi uma experiência péssima”, diz Keila.

A imprudência no trânsito é global. Estudo de 2015 realizado pelo American Automobile Association Foundation for Traffic Safety aponta que, ao usar o celular, o motorista fica em média quatro segundos sem olhar para a via. A uma velocidade de 90 km por hora, esse tempo é suficiente para percorrer um espaço equivalente a um campo de futebol.

Há cinco anos usando a bicicleta como principal meio de transporte, o microempresário José Mário da Silva Filho quase foi vítima de um motorista imprudente que dirigia falando ao celular. “Estava pedalando na Avenida Henrique Schaumann quando senti que o carro ao lado vinha para a lateral. O motorista estava usando dois celulares, um na orelha e outro na mão. Foi o máximo do absurdo e da falta de educação”, conta Filho.

Para o condutor acostumado a dar aquela espiadinha no aparelho quando o farol fecha, é bom ficar atento. A legislação federal proíbe o manuseio mesmo durante breves paradas. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) permite o uso do dispositivo apenas quando o veículo estiver estacionado, com o motor desligado. Está liberado também se o telefone for usado na função GPS, desde que esteja fixado no para-brisa ou no painel dianteiro, em suporte adequado.

VEJA TAMBÉM: Detran.SP alerta: Excesso de velocidade é um dos principais fatores de risco no trânsito.

Penalização

A legislação federal ainda considera que falar ao celular enquanto dirige é infração média, punida com multa de R$ 85,13 e 4 pontos na habilitação. Já conduzir com apenas uma das mãos por segurar ou manusear o celular é uma infração gravíssima, com multa de R$ 293,47 e inserção de 7 pontos no prontuário do motorista.

Em 2016, o total de multas aplicadas por uso de celular no Estado foi de 101.388, soma apenas das infrações registradas em perímetro urbano pela Polícia Militar em nome do Detran.SP.

Além do Detran.SP, os órgãos de trânsito das prefeituras, os rodoviários e federais fiscalizam e multam esse tipo de infração. Desse modo, os números acima não refletem o total de autuações por uso do celular ao volante no Estado. A situação pode ser ainda pior.

VEJA TAMBÉM: Resolvi fazer uma viagem sozinho. E se minha moto quebrar, o que faço?

 

DEIXE UMA RESPOSTA