Trilhas e aventuras de moto por Campinas (SP)

Distritos de Campinas (SP), Joaquim Egídio e Sousas atraem turistas de todas as tribos

Texto: Egon Jenckel/Trinity Ronzella
Fotos: Trinity Ronzella

Campinas (SP)

Joaquim Egídio, distrito de Campinas (SP), surgiu devido ao café que, no século XIX, começou a se expandir no interior paulista. Com o estabelecimento do ramal férreo campineiro, em 1889, o desenvolvimento se confirmou e por ali começaram a surgir  estradas, pontes férreas e fazendas de café. Tanto que, hoje, ao rodar pela região, temos a impressão de voltar no tempo.

Joaquim Egídio, e o vizinho Sousas, são destinos muito procurados, principalmente nos finais de semana, quando por lá aportam turistas de todas as tribos, muito deles praticantes de esportes off-road. Assim, proprietários de quadris, motos de trilha, jipes e mountain bikes são frequentadores assíduos. Vale lembrar que, além dos bons caminhos off-road, a região é repleta de excelentes e charmosos bares e restaurantes.

COTIDIANO

Apesar de pertencer e estar a poucos quilômetros do centro de uma das maiores cidades brasileiras – Campinas – que tem cerca de 1 milhão de habitantes, o cotidiano dos moradores dos dois distritos é completamente diferente do dos grandes centros. Parece que a vida demora mais para passar. Pessoas ficam sentadas em frente a suas casas “papeando” e observando o calmo movimento (exceto nos finais de semana) das ruas de paralelepípedo com poucos automóveis e crianças brincando.

ATRATIVOS

Quem vai para Joaquim Egídio e Sousas tem diversas opções de entretenimento. Uma opção bem interessante é o Observatório do Capricórnio, primeiro observatório municipal do país, inaugurado em 1977. Mas, devido ao horário de funcionamento (domingos, das 17h00 às 21h00) muita gente vai até lá para ver a vista da região, do alto dos seus 1.030 metros. http://observatorio.campinas.sp.gov.br/observatorio.php

Para quem curte o chamado turismo rural e histórico, e quer voltar aos tempos áureos do café, a dica é conhecer a Fazenda das Cabras, que foi construída em taipa de pilão (técnica de construção herdada das culturas árabes e berbéres e que se constitui de paredes feitas de barro amassado e calcado entre taipas de madeira que, após a secagem, são retiradas). Essa fazenda data de 1883 e hoje abre suas portas para visitações pelas áreas de produção do café e um museu que abriga ferramentas e fotos da época.

Além da parte histórica, existem trilhas em meio à Mata Atlântica que rodeia a bela e imponente propriedade. Para saber mais acesse: www.fazendadascabras.com.br

TRILHAS

Além das belas fazendas e restaurantes, nos finais de semana a região recebe um grande número de trilheiros que buscam os mais diferentes caminhos de terra. Vale citar que, ao pilotar por Joaquim Egídio e Sousas, deve-se observar os locais nos quais é permitido rodar com as motos e quadris.

Para saber um pouco mais sobre essas trilhas, passamos um dia inteiro percorrendo algumas trilhas e estradas da região, junto a um divertido grupo com mais de 10 trilheiros. Nesse dia foi possível pilotar em meio a eucaliptos, subir em pedras, fazer single tracks em meio à vegetação nativa, encarar longas e lisas subidas, enfrentar erosões e, sempre devido ao relevo da região, curtir belas paisagens.

Nesse dia o ponto de partida foi em frente à Zimm-Motos, loja especializada em off-road e cujo pessoal tem grande conhecimento das trilhas da região. Dali surgem opções que poderão levá-lo a trilhas como a da Bocaina, passar pela cidade de Morungaba, encarar a Trilha do Carrapato, a Trilha do Vicentão ou o Morro do Careca. Enfim, opções e diferentes níveis de dificuldade de pilotagem não faltam. E aqui fica outra dica: ande sempre atento, pois, devido aos moradoes e ao grande número de praticantes de off-road na região, o movimento nas estradas de terra exige cuidado.

MOTO

Encaramos as trilhas da região com uma AJP PR4 de 240cc Enduro, máquina que vem de fábrica com freios a disco, suspensão dianteira invertida Marzocchi ajustável, tanque com capacidade para 7 litros de combustível, painel digital, dentre outros itens. Com ela percorremos com tranquilidade e segurança e ultrapassamos todos os obstáculos  propostos nesse dia de trilha.  A satisfação com a AJP foi plena.

Para saber mais sobre a AJP e suas máquinas acesse: http://www.ajpmotos.com.br

COMO CHEGAR

Para quem sai da capital paulista, a dica é seguir pela Rodovia Anhanguera, até o km 86, entrar no anel viário em direção à rodovia D. Pedro I, fazendo o contorno na saída do km 130. Placas indicativas mostrarão o caminho até Sousas e Joaquim Egídio.

Quem está em Campinas deve seguir pela Avenida Dr. Moraes Sales, sempre em frente, acompanhando as placas para Sousas e Joaquim Egídio.

ONDE COMER

Bar do Marcelino (19) 3298-6249.

Além de deliciosos e fartos pratos, Marcelino, proprietário desse restaurante, também é trilheiro e pode dar interesantes dicas e informações sobre passeios pela região.

Rua Heitor Penteado, 1.113, Joaquim Egídio, Campinas (SP)

www.bardomarcelino.com.br

Restaurante Vila Paraíso (19) 3298-6913.

Rua Doutor Heitor Penteado 1.716, Joaquim Egídio, Campinas (SP)

www.restauratevilaparaiso.com.br

Bar da Trilha (19) 99109-7319.

Rodovia das Cabras, Km 5,5 – Campinas (SP).

Ca´ Di Matone (19) 3258-9010 / 98067-7427

Praça São Sebastião, 53, Sousas, Campinas (SP)

www.cadimattone.com.br

SERVIÇOS

Para obter informações sobre trilhas pela região ligue (19) 3298-6179 ou acesse: www. zimm-motos.com.br/loja/

*Matéria publicada na edição #172 da revista Moto Adventure.

DEIXE UMA RESPOSTA