Yamaha-X-max-250-Revista-moto-adventure-Edgar-Klein (4)

Yamaha XMax 250 ABS 2020 – Ele está chegando

Novo scooter da Yamaha é a grande aposta da marca para conquistar um consumidor que busca tecnologia, conforto e design para seus deslocamentos diários

Entre todas as novidades apresentadas pela Yamaha durante a última edição do Salão Duas Rodas, a mais relevante, sem qualquer dúvida, foi o scooter XMax 250 ABS.

Desde sua primeira versão em 2005, o XMax 250 sempre apresentou um design marcado pelo conceito Sports Premium Scooter, resultando em personalidade esportiva, bastante espaço para piloto, garupa e bagagens e muita tecnologia embarcada, elementos que fizeram dele um grande sucesso entre os europeus.

Esta versão que passa a ser vendida aqui chega carregando dois importantes prêmios de design: o Red Dot Design Award e o iF Design Award, o que mostra o capricho empregado pela Yamaha no desenvolvimento deste produto. No vídeo que gravamos para esta reportagem, apresentamos os principais destaques que o XMax 250 ABS traz; aqui, os mostraremos na forma de tópicos.

Yamaha X-max 250. Foto: Edgar Klein
  • Carenagem de linhas marcantes
  • Cores foscas (azul, vermelha e preta) que reforçam a identidade esportiva
  • Iluminação Full LED que complementa o estilo moderno
  • Amplo espaço para pernas e pés, que encontram três posições de descanso na plataforma
  • Guidão ajustável em até 2 cm
  • Pára-brisa regulável em até 5 cm
  • Assento largo para piloto e garupa, em dois níveis, com espuma de densidade que coopera com o trabalho das suspensões
  • O maior espaço sob o assento entre todos os scooters. Acomoda até dois capacetes fechados e outros pequenos objetos e conta com iluminação interna em LED
  • Dois porta-luvas (um que pode ser travado)
  • Tomada 12V
  • Chave presencial
  • Painel com excelente visibilidade e dotado de computador de bordo com inúmeras informações
  • Controle de tração desconectável (primeiro veículo de baixa cilindrada a receber este dispositivo)
  • Motor monocilíndrico de 250 cm3, 4 válvulas, SOHC, refrigerado a líquido e alimentado por injeção eletrônica, capaz de entregar 22,8 cv e torque de 2,5 kgf.m
  • Suspensão dianteira com tubos de 33 mm e fixação nas mesas superior e inferior
  • Suspensão traseira bichoque, com amortecedores de mola progressiva e 5 regulagens de pré-carga
  • Freios a disco nas duas rodas, com ABS de duplo canal
  • Rodas de liga-leve calçadas com pneus Dunlop Scootsmart de perfil esportivo
  • Tanque com capacidade para armazenar 13,2 litros de gasolina (o maior da categoria)
Yamaha X-max 250. Foto: Edgar Klein

Nossas impressões

Fomos convidados pela Yamaha para participar da XMax Journey: ao longo de uma semana, pudemos rodar com o XMax 250 ABS e visitar algumas atrações selecionadas pela marca na cidade de São Paulo. Neste período, o utilizei também em meus deslocamentos diários, percorrendo neste período um total de 522 km, que me permitiram colher várias impressões a seu respeito.

A primeira é que que, independentemente do gosto pessoal, o XMax 250 ABS chama muito a atenção, seja pelo fato de ser uma novidade, seja por seu design. A segunda é que este scooter é espaçoso e muito confortável, com pernas, braços e coluna trabalhando de maneira relaxada, possibilitando pilotá-lo por longas jornadas sem se cansar. Quando voltei a montar no meu PCX, parecia que, ou eu tinha crescido ou o PCX tinha encolhido.

Yamaha X-max 250. Foto: Edgar Klein

O funcionamento do motor é tão suave, liso e silencioso que parece ser feito de teflon. A curva de torque é linear e progressiva, comportando-se de forma dócil a baixas velocidades, mas possibilitando arrancadas vigorosas. Na estrada, mantém a velocidade em subidas e permite ao scooter rodar tranquilo a 120/130 km/h, batendo nos 150 km/h de top speed (no painel), condição na qual o índice de vibração é muito baixo.

Durante 99% do tempo em que estive com ele, rodei sempre respeitando os limites de velocidade (50 km/h na cidade e de 80 a 90 km/h na estrada), o que significou circular quase sempre a baixas rotações. Isso, associado ao baixo índice de freio-motor, fez com que em minhas mãos, o scooter atingisse a incrível marca de 36,9 km/l, marcado pelo computador de bordo, exatamente o mesmo consumo que alcanço com meu singelo PCX 150, rodando nas mesmas condições de uso.

Yamaha X-max 250. Foto: Edgar Klein

Suas suspensões são um capítulo à parte. Calcanhar de Aquiles de todo scooter, no XMax 250 ABS estas conseguem disfarçar com louvor a buraqueira do nosso asfalto e ainda contam com a densidade da espuma do assento como aliada na tarefa de amortecimento. Ahhh, como foi bom chegar em casa e não ter levado nenhuma pancada no cóccix ao longo de um dia inteiro de pilotagem!

Ele encara os corredores? Encara, mas não consegue passar nos mais apertados onde as motos passam. Por ter um ângulo de esterço de guidão menor que das motos, acaba não apresentando a mesma desenvoltura no trânsito, mas nada que o desabone, enquanto que o pára-brisas consegue oferecer boa proteção aerodinâmica mas sem deixar você cozinhando atrás dele, graças à sua entrada de ar inferior. Ele também não compromete a visão na chuva, pois na posição standard, permite que se olhe sobre ele.

Yamaha X-max 250. Foto: Edgar Klein

O computador de bordo entrega tanta informação que você demora um tempo para se acostumar, mas depois, fica divertido acompanhar cada um dos dados que fornece.

Os freios cumprem com seu papel; mesmo tentando, não consegui fazer o controle de tração entrar em ação. Talvez este recurso tenha sido implantado mais para ser um diferencial tecnológico, do que propriamente, algo que tenha utilidade prática, como o ABS.

Yamaha X-max 250. Foto: Edgar Klein

Custando R$ 21.990 mais R$ 865 de frete, o XMax 250 ABS chega ao mercado com preço 14% superior ao do Citycom (Dafra) e 4,76% mais caro que o SH 300i (Honda). Apesar disso, o novo scooter da Yamaha mostra que tem grandes chances de repetir por aqui o sucesso de vendas alcançado na Europa, afinal seus apelos estéticos, tecnológicos, mecânicos, ciclísticos e de conveniência têm tudo para conquistar aquele motociclista que faz questão de andar no dia a dia com um scooter moderno e que combina com seu life style.

Ficha Técnica

Motor: monocilíndrico SOHC, arrefecido a líquido

Cilindrada: 250 cm3

Alimentação: injeção eletrônica

Diâmetro x Curso: 70 x 64,9 mm

Potência: 22,8 v a 7.000 rpm

Torque: 2,5 kgf.m a 5.500 rpm

Câmbio: CVT

Chassi: n/d

Susp. Diant.: convencional hidráulica, 33 mm diâmetro, 110 mm curso

Susp. Tras.: bichoque, 92 mm curso, 5 regulagens pré-carga da mola

Freio Diant.: disco 267 mm, com ABS

Freio Tras.: disco 245 mm, com ABS

Pneu diant.: 120/70-R15

Pneu Tras.: 140/70-R14

Peso: n/d

Tanque: 13.2 l

You don't have permission to register