Piloto brasileiro conquista pódios em corridas de flat track nos Estados Unidos

Mesmo sem grande experiência na modalidade, Rafael Paschoalin, da Yamaha Racing Brasil, se deu bem e trouxe na mala 4 vitórias e 3 troféus de segundo lugar

Texto: Redação
Fotos: Divulgação

 

Flat Track

Nem bem curtiu o pódio em Pikes Peak, uma das mais desafiadoras corridas de motos do mundo, o piloto Rafael Paschoalin, da Yamaha Racing, retornou aos Estados Unidos para um novo desafio: a participação em corridas de Flat Track, algumas inclusive sob chancela do AMA (American Motorcycle Association) – e o melhor, com direito a vitórias.

A modalidade, que tem ganhado cada vez mais notoriedade em função das constantes divulgações das corridas disputadas na pista particular de Valentino Rossi, é tradicional nos Estados Unidos e já consagrou nomes como Kenny Roberts e Nicky Hayden. Disputadas em pistas com formato oval e piso de terra batida, cujos percursos variam de meia a uma milha, as corridas de Flat Track colocam à prova a habilidade do piloto, que precisa controlar através do acelerador, a derrapagem em curvas.

A aventura de Rafael em desbravar os Estados Unidos em busca de competições de Flat Track, na verdade, começou no dia seguinte à conquista do segundo lugar na categoria Middleweight, no Pikes Peak, disputado maio deste ano. Paschoalin chamou atenção dos americanos – em especial de Davey Durelle, uma das lendas do esporte – pois mesmo sem nunca ter tido contato com a modalidade antes, conseguiu tempos bem próximos ao de pilotos profissionais com muitos anos de experiência neste tipo de corrida.

Emoção a cada acelerada

De sentir pela primeira vez a emoção de acelerar num oval de terra, para ser o primeiro brasileiro a fazer parte de um gate de uma prova do AMA Flat Track, passaram-se apenas dois meses. Ao guidão de uma Yamaha YZ450F modificada dias antes das competições, Rafael Paschoalin conquistou, já em sua estreia, um surpreendente resultado: uma vitória e um segundo lugar no All Stars Flat Track, realizado em Sturgis, na Dakota do Sul (EUA).

Dias depois, no estado do Kansas, Rafael disputou o I-70 Flat Track Series. Nele, o piloto mostrou seu talento, pois, apesar de não ser um expert nesta modalidade, foi capaz de conquistar três vitórias e uma segunda colocação.

Para Rafael, a experiência vivida nos Estados Unidos vai além da conquista de troféus em uma categoria tão amada e disputada pelos americanos. O aprendizado contribuiu para sua evolução como piloto, tornando-o, inclusive, mais competitivo para competições como o Pikes Peak e o Ilha de Man TT, ambas nos planos do piloto Yamaha Racing para 2018. “Essa experiência me fez entender o porquê dos principais pilotos praticarem o Flat Track. Para ter sucesso nessa modalidade você precisa ter muita sensibilidade e achar a aderência mesmo quando ela quase não existe. A Yamaha YZ450F, mesmo com motor sem alterações e escape original, surpreendeu a todos e andou na frente de outras motos que tinham muito investimento em preparação. Não poderia deixar de agradecer ao meu técnico Davey Durelle e a James Osborne, que me ajudaram muito”.

VEJA TAMBÉM: Casal viaja de moto para os EUA em comemoração de 20 anos de casados – Parte 1.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA